A ADMINISTRAÇÃO DA GRAÇA DE DEUS DE ACORDO COM A MEDIDA DO DOM DE CRISTO


“Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos. Mas a cada um de nós foi dada a graça conforme a medida do dom de Cristo.” (Ef.4:4 -7)

São todos servos de Deus? Mas o que os torna diferentes uns dos outros? Senão A MEDIDA DO DOM DE CRISTO na administração da graça de Deus que foi dada a cada um.
Devem ser todos apóstolos ou profetas? São todos doutores, pastores ou evangelistas? Não, cada um deles tornou-se apenas o que o Senhor queria que fosse. E eu digo novamente: Se a medida do dom de Cristo é difere um do outro, todavia Cristo não é dividido. Todos eles têm um ministério complementar ao serviço do corpo de Cristo. E, só Ele é a plenitude que preenche tudo em todos.
            Não se esqueçam de que há apenas UMA SÓ Igreja: o corpo de Cristo; que existe apenas UM SÓ Espírito Santo; que temos sido chamados, todos nós, a UMA SÓ e mesma esperança. Lembrai-vos de que há UM SÓ Senhor, UMA SÓ , UM SÓ batismo, UM SÓ Deus e Pai de todos. E, nunca dizem que Deus está só aqui, no nosso meio. Está errado! Ele está acima de tudo, e por todos e em todos. A diferença (atentai nisso) consiste no facto de que tal servo recebeu essa medida do dom de Cristo, e tal outro, uma outra. A cada um, Deus pedirá conta de acordo com a medida que recebeu; tal como a coisa nos é ensinado em figura na parábola dos talentos (Mat.25:14 -29) ou a das minas (Lc.19:13- 26).
         É bem verdade que, numa geração, uma nação, uma cidade, um ministério, uma igreja local ou assembleia, Deus pode conceder a um dos Seus servos, em maior medida do que a de seus companheiros. Por que faria Ele tal coisa? Isto não nos diz respeito! Deus não faria o que Ele bem entender com Seus bens, exatamente como um homem faria com as suas fazendas?
         Com que objetivo Deus faria tal diferença? Para exaltar o homem acima dos outros? Não!
Mat.24: 45: “Quem é, pois, o servo fiel e sensato, a quem seu senhor encarrega dos de sua casa para lhes dar alimento no tempo devido?"
            Note-se que ele é antes de tudo, um "servo", portanto, um "escravo " não é um líder ou um senhor na Igreja (os religiosos têm os seus líderes, a Igreja de Cristo tem servos). À este servo é exigido fidelidade no cumprimento da missão que lhe foi dado. Qual é a sua missão? A de distribuir o mantimento aos outros servos no tempo conveniente. Isso significa o quê? Que seu ministério iria alumiar a lanterna de outros servos de Deus estabelecidos com ele na seara do Senhor. Que sua pregação ajudaria outros servos à pregar com mais exatidão o Conselho revelado por Deus. Lembrai-vos do que diz a escritura de Sal.133: 2 sobre a unção divina: “É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desceu sobre a barba, a barba de Arão, que desceu sobre a gola das suas vestes. O quê? Semelhante a este óleo precioso que desce da cabeça para a barba de Arão, antes de atingir a borda de suas vestes; quer seja numa geração ou numa igreja local, Deus derrama Sua unção sobre um servo para alumiar outros. Mas, note que este servo não deve apenas ser fiel na dispensação desta graça, mas também prudente (precavido ou ponderado) para não se deixar arrebatar pelo orgulho que antecede a queda; quando ele começa a pretender-se "senhor" ou superior aos outros servos de Deus chamado e estabelecidos com ele na obra do ministério: na mesma geração, nação, igreja local, etc.
Meditando as escrituras, podemos ver claramente que Moisés tinha recebido uma porção maior do que da Arão. Pois, enquanto Deus falava diretamente com Moisés, Arão recebeu a revelação da vontade divina por Moisés (Ex.4:14-16). Não eram todos servos de Deus, os setenta anciãos de Israel, que trabalharam com Moisés? No entanto, é do Espírito que estava sobre Moisés, que Deus derramou sobre cada um deles, para que estes por sua vez profetizassem (No.4: 24,25). Nem eram todos sacerdotes? No entanto Arão não recebeu uma medida maior do que a dos seus filhos no sacerdócio? Meditem cuidadosamente as escrituras e vereis que: os sacerdotes tinham um medida superior a dos levitas (No.3: 32; 4: 28,33, etc.) O mesmo aconteceu com Pedro em comparação com os outros apóstolos do Senhor e com Paulo entre os gentios.
Falando sobre a administração da graça de Deus que lhe fora dado entre os gentios, Paulo diz em Ef.3 :1- 5, o seguinte:
“Por esta razão eu, Paulo, o prisioneiro de Cristo Jesus por amor de vós gentios... Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada; como pela revelação me foi manifestado o mistério, conforme acima em poucas palavras vos escrevi, pelo que, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, o qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas”

O apóstolo Paulo confirma aqui a verdade que defendemos nesta pregação, dizendo que ele é escravo ou prisioneiro de Cristo, não para si mesmo, mas para os gentios chamados a ser salvos pela dispensação da graça de Deus que à ele foi feito para a Igreja de Cristo. Alguém entende isso? Os dons são dados aos homens, para a utilidade da Igreja. Ora, Paulo recebeu o que ele ensinou à Igreja por uma revelação direta do Senhor. Como então, reconhecer que o que é anunciado por um pregador vem de Deus? Ouvindo-lhe primeiro. Lembrai-vos do exemplo dos judeus de Beréia! Vocês não podem rejeitar alguém sem o ter ouvido primeiro. Ouçam-no e procurem examinar imediatamente se o que ele diz ou ensina é consistente com as Sagradas Escrituras. Rejeitem essas falsas revelações que vocês chamam de "Rhema" e que não têm nenhuma base nas Escrituras inspiradas; a Palavra de Deus, claro. Pelo que, Paulo apela ao discernimento da nossa pregação, dizendo: "quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo. "
Alguém se lembraria do que aconteceu nos tempos antigos com Salomão? Quando este pediu ao Senhor para lhe dar sabedoria para cumprir com êxito a sua missão de encabeçar o povo de Israel, ninguém mais estava com ele na presença de Deus (1R.3:5 -12). Como foi pois que Israel soube que Deus estava com Salomão? Ao vê-lo ministrar. Como está escrito em 1R.3: 28: E todo o Israel ouviu a sentença que o rei proferira, e temeu ao rei; porque viu que havia nele a sabedoria de Deus para fazer justiça.” Por esta razão o apóstolo Paulo apela a Igreja à discernir o dom de Cristo no Seu servo, dizendo: "Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me foi dada. "
Agora, se sois incapazes de discernir o dom de Cristo no Seu servo, o que poderá acontecer é: ou rejeitariam este instrumento e deste jeito, invalidariam o propósito que Deus tem para convosco; ou então cairiam num fanatismo cego e dariam a este homem a glória que não lhe é devida. Porque todos nós somos servos inúteis. E, só à Cristo pertencem honra e glória nos séculos dos séculos. Amém!
Seria Paulo o único detentor da verdade que Deus revelou na sua geração? Não! Aqui está a verdade: pese embora Paulo ter recebido em grande medida, em comparação com seus outros companheiros na seara, ELE NÃO ERA CONTUDO O ÚNICO DETENTOR DA VERDADE SOBRE O MISTÉRIO DE CRISTO REVELADO NAQUELA ERA.
            Prestem cuidadosamente fé no que diz Ef.3: 5: "o qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas." É bom notar aqui que Paulo diz claramente que a revelação da verdade tem sido dada "aos" santos apóstolos e profetas de Cristo. Prestem pois atenção ao uso do plural! Ministrai pois, cada um segundo a medida que recebeu do Cristo e não proíbem os outros de servir também o Seu Senhor.
Todavia, falando deste conhecimento da verdade que o Senhor deu aos Seus servos, naquela época, o apóstolo Paulo chama a nossa atenção para a graça que foi dada a ele; isto é da sua porção... Nos versículos 8 e 9:
“A mim, o mínimo de todos os santos(ele não se exalta a si mesmo, pois ninguém pelo Espírito de Deus pode se comportar assim. JAMAIS), me foi dada esta graça de anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou”
Assim, entendemos que, pese embora os outros apóstolos tiveram recebido também do Senhor o conhecimento da Verdade; no entanto a missão ou a administração da graça de Deus sobre Paulo era para revelar a vocação dos gentios, que haviam recebido por herança o reino dos céus, em Cristo Jesus, e falar em detalhes sobre essas coisas.
            Tendo então reconhecido a dispensação da graça de Deus sobre ele, os apóstolos de Jerusalém deram à Paulo a mão de associação reconhecendo, no entanto, a diferença que existia entre um dom de Cristo para uma Igreja composta essencialmente de judeus e que caracterizava o ministério de Pedro e os apóstolos em Jerusalém; e o dom do mesmo Cristo feito à Paulo para uma Igreja composta essencialmente de gentios:
“Antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me fora confiado, como a Pedro o da circuncisão (porque aquele que operou a favor de Pedro para o apostolado da circuncisão, operou também a meu favor para com os gentios), e quando conheceram a graça que me fora dada, Tiago, Cefas e João, que pareciam ser as colunas, deram a mim e a Barnabé as destras de comunhão, para que nós fôssemos aos gentios, e eles à circuncisão”. (Gal.4 7,9)

(Leiam também Rom.11: 13 e 1Tim.2: 7)

O que temos à dizer em relação à isso? Que num corpo, cada membro tem uma função específica. Se tudo fosse olho... Se tudo fosse boca... Se tudo fosse mão, etc. onde estaria o corpo?
A medida do dom de Cristo... Aqui está o que faz a diferença entre os ministros de Deus. Se Paulo recebeu a revelação diretamente do próprio Senhor, tal não foi o caso com Timóteo que recebeu o dom de Deus por meio da imposição das mãos de Paulo. Vamos ler a Bíblia:
“Por esta razão te lembro que despertes o dom de Deus, que há em ti pela imposição das minhas mãos (...) Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido…; guarda o bom depósito com o auxílio do Espírito Santo, que habita em nós.” (1Tim.1: 6,13,14)

Portanto, vamos evitar de perder tempo em brigas intermináveis ​​sobre a medida do dom de Cristo. À quem pertencia o dom que se achava em Timóteo? Tratava-se do dom de Deus (e não do Paulo). Ele foi, portanto, um servo de Deus, e não o de Paulo. Mas por que razão um servo de Deus receberia um dom divino pela imposição das mãos de um outro? Por que Deus não o daria diretamente a um servo Seu? Ao dizer: Conserva na fé e no amor que há em Cristo Jesus, o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido... Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós; Paulo enfatiza claramente que Timóteo chegou ao conhecimento da verdade pelo ministério dele. Portanto, era recomendável para Timóteo conservar esta doutrina (o bom depósito) que lhe foi dado, com a ajuda do Espírito Santo que habita e anime todos os servos e discípulos de Cristo. Por quê? Já o disse anteriormente: apenas uma revelação do Espírito Santo sobre Timóteo podia atestar que tudo o que Paulo ensinava era proveniente de Deus.

A Tito, outro servo de Deus, Paulo escreveu:
“À Tito, meu verdadeiro filho segundo a fé que nos é comum, graça e paz da parte de Deus Pai, e de Cristo Jesus, nosso Salvador. Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem o que ainda não o está, e que em cada cidade estabelecesses anciãos, como já te mandei (Ti.1 :4,5)

            Agora eu quero dirigir-me mui particularmente à todos aqueles que, na Igreja de Cristo, se perderam no caminho da rebelião de Corá, Datã e Abirão (No.16:1 -3 e 9-15)... aos que guerreiam, brigam nas igrejas e dispersam o povo de Deus por causa dos dons de Cristo. Saibam uma vez por tudo isso: é a medida do dom e a administração da graça que é dada a cada um desses homens de Deus que faz a diferença entre eles. Mas não se esquecem o que dizem as Escrituras: existe UMA SÓ Igreja, UM SÓ Espírito, UMA SÓ e mesma esperança, UM SÓ Senhor, UMA SÓ fé, UM SÓ batismo, UM SÓ Deus e Pai de todos, que está acima de tudo e por todos e em todos.
Meditando o que Paulo escreveu à Tito, entendemos que foi a fé de Paulo em Jesus Cristo que, posteriormente, gerou a de Tito; também um servo de Deus. É por isso que Paulo o chama de "meu verdadeiro filho segundo a fé que nos é comum". Não és portanto meu "pai espiritual " (como você o pretende), só pelo facto de ter sido pastor da assembleia onde me converti. Não! Mas sim, quando sua pregação me levou nesta fé verdadeira que você e eu confessamos e vivemos. Amém! É assim, que eu aceito isso.
            Mas agora, quando Paulo disse a Tito: "Eu te deixei em Creta "; você diz: "Eu sou servo independente, vou andar segundo a minha própria convicção, eu vou onde eu quero, etc.". Há que ter muito cuidado. Em cada igreja local, assembleia ou ministério, Deus estabeleceu e colocou tudo em sua própria ordem. Deus tinha chamado Tito para O servir no ministério ou apostolado de Paulo. É lícito que Paulo tenha recebido uma medida maior do dom de Cristo naquela obra. Pelo que Deus dava orientações à Tito através de Paulo (para que pusesses em boa ordem o que ainda não o está, e que em cada cidade estabelecesses anciãos, como já te mandei); assim como Arão e os sacerdotes eram conduzidos por Moisés. Ou, como Pedro também o fazia com os outros anciãos que com ele trabalhava ( 1Pi.5 :1- 4).
Portanto, não se perdem na rebelião de Corá!

À igreja de Corinto, Paulo escreve:
“Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei eu como sábio construtor, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.” (1Cor.3:10, 11)
            “Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei…” (1Cor.11: 23a)

“ Se alguém se considera profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor. Mas, se alguém ignora isto, ele é ignorado.”(1Cor.14.37, 38)

Na Igreja da Galácia, ele escreve:
“ Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema.” (Gal.1:6-8)

“Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens; porque não o recebi de homem algum, nem me foi ensinado; mas o recebi por revelação de Jesus Cristo.” (v.11, 12)

Aos Filipenses, ele diz:
“O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz será convosco.”(Fil.4 : 9).
Como Paulo podia estar tão seguro de si mesmo? É imperativo compreender, antes de tudo, o que o Espírito quer nos ensinar sobre a administração da graça de Deus feita à um servo para a Igreja de Cristo: todas estas igrejas foram chamadas pelo Evangelho dado a Paulo, e confirmadas na fé pelo seu ministério; segundo a medida do dom de Cristo que nele trabalhava. Assim, apegando-se naquela doutrina, eles não obedeciam à Paulo, mas sim ao próprio Deus. É com essa confiança, que Paulo disse: isso praticai; e o Deus de paz será convosco. Essas igrejas, portanto, ao imitar Paulo, tornavam-se assim, imitadores (seguidores) do próprio Cristo.
Contestado pelos seus contemporâneos que não reconhecia a sua autoridade como pregador do Evangelho, Paulo, sabendo da administração ou dispensação da graça de Deus que lhe fora dado por esses povos, disse inclusive em 1Cor.9:1-3, o seguinte:
“ Não sou eu livre? Não sou apóstolo? Não vi eu a Jesus nosso Senhor? Não sois vós obra minha no Senhor? Se eu não sou apóstolo para os outros, ao menos para vós o sou; porque VÓS SOIS O SELO DO MEU APOSTOLADO NO SENHOR. Esta é a minha defesa para com os que me acusam.”

Se entender realmente o que dizem as escrituras, nunca se deixariam seduzir.
“Mas o que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre; e as ovelhas ouvem a sua voz; e ele chama pelo nome as suas ovelhas, e as conduz para fora. Depois de conduzir para fora todas as que lhe pertencem, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz”(Jo.10:2- 4)

         Esta escritura que se aplica à Cristo, o Sumo Pastor das nossas almas, também se aplicam à todos os pastores de ovelhas que Ele enviou na seara. Cada um deles, pelo dom da graça de Deus que lhe foi dada, de acordo com a medida do dom de Cristo entrará no mundo e chamará o povo de Deus destinados para a salvação pelo seu testemunho do Evangelho. Ele vai levar esse grupo diante do Senhor e dar conta das suas almas. Vocês podem por ignorância, má-fé ou fanatismo recusá-lo. Não vai mudar nada no Propósito de Deus que se cumpra nele. Porque é o seu trabalho no Senhor: o selo do seu mandato divino.

Um dia recebi um telefonema:

  1. Com que direito você escreve? Nunca lestes na Bíblia que a Palavra de Deus só veio por intermédio de profetas? Consulta a Bíblia e verá que apenas os profetas escreveram livros; não os pastores... (O meu interlocutor se apresentou como um apóstolo)
  2. Conheço um que não tinha o ministério profético, mas escreveu mais de um livro, eu respondi (Não diz a Bíblia:“Responde ao tolo segundo a sua estultícia para que não se ache sábio? ")
  3. Quem? Perguntou ele
  4. O apóstolo Paulo, respondi eu.
  5. Oh, não! Eu não estou falando daquele aí. Este é um caso especial. Respondeu ele.
  6. Querido irmão, não sabes que Tiago quem escreveu a carta também foi pastor da Igreja de Jerusalém... João depois do cativeiro de Patmos tornou-se (de acordo com a história da igreja) pastor em Éfeso?
  7. Não! Eu não estou falando daqueles, falo à respeito da nossa geração, você não sabe que Deus suscitou Seu Profeta e que todo aquele que não o ouvir está perdido... (e bla-bla-bla... )

Ouçam queridos irmãos, que me seja também permitido dizer-lhes isto: todo aquele que lê as coisas acerca das quais vos escrevo, pode ter uma ideia do entendimento que o Senhor me deu para administrar essas coisas ao Seu povo. E, se para algumas pessoas, não sou nada mais de que um intrujão; no entanto para convosco, eu não tenho vergonha de me recomendar como servo de Deus, porque vós sois a minha obra no Senhor: o selo da administração desta graça que Deus me fez também à mim (sem dúvida, o menor de todos os santos); quando a Palavra de Deus foi dirigida à mim nestes termos: "Vai dizer a meu povo, eis que cedo venho."
            Se tiver de me gabar de algo, gloriar-me-ei na graça de Deus operando em mim e que abafa os meus muitos defeitos e fraquezas. Crendo firmemente que O próprio Deus que começou uma obra em mim irá completá-la.
Eu já o disse uma vez, e vou repeti-lo hoje... Ainda o farei enquanto durar a minha caminhada no meio dos zombadores e inimigos da verdade:

Nós, porém, não nos gloriaremos além da medida, mas conforme o padrão da medida que Deus nos designou para chegarmos mesmo até vós; porque não nos estendemos além do que convém, como se não chegássemos a vós, pois já chegamos também até vós no evangelho de Cristo, não nos gloriando além da medida em trabalhos alheios; antes tendo esperança de que, à proporção que cresce a vossa fé, seremos nós cada vez mais engrandecidos entre vós, conforme a nossa medida(2Cor.10:13 -15)

Esta é a minha defesa contra todos os inimigos da verdade que professamos.
Quem acreditou naquilo a nossa mensagem? Acautelai-vos desses anticristos! Não se deixem enganar!
Que Deus vos abençoe e vos guarde de todo o mal.


Dr. Tiago Moisés