O COMBATE ENTRE A CARNE E A PROMESSA

“Pois ele sabia que por inveja que os principais sacerdotes lho haviam entregado.” (Mc.15:10).
“Ao cabo de dias, trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel também trouxe dos primogénitos das suas ovelhas, e da sua gordura. Ora, atentou o Senhor para Abel e para sua oferta, mas para Caim e para sua oferta não atentou. Pelo que irou-se fortemente Caim e descaiu-lhe o semblante. Então o Senhor perguntou a Caim: Por que te iraste? E por que está descaído o teu semblante? Porventura, se procederes bem, não se há de levantar o teu semblante? E se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti serás o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar. Falou Caim com o seu irmão Abel. E, estando eles no campo, Caim se levantou contra o seu irmão Abel, e o matou.” (Gen.4:3-8).

“Então os principais sacerdotes e os fariseus reuniram o Sinédrio e diziam: Que faremos? Porquanto este homem vem operando muitos sinais. Se o deixarmos assim, todos crerão nele, e virão os romanos e nos tirarão tanto o nosso lugar como a nossa nação.” (Jo.11:47,48).

“Mas, como naquele tempo, o que nasceu segundo a carne perseguia ao que nasceu segundo o espírito, assim é também agora.” (Gal.4:29).

Deus falou pele boca do profeta Jeremias dizendo: “Ponde-vos à margem dos caminhos…”. Pois, dos caminhos existem uns tantos. Mas, o primeiro passo para se chegar ao discernimento consiste em sair mesmo dos caminhos por onde andamos até que veio a revelação da Palavra ou vontade de Deus. Porque, é difícil o discernimento operar onde dominam os sentimentos e hábitos religiosos; superstições e crenças; paixões, laços ou filiações. Enquanto formos presos numa denominações religiosas, o espírito que domina este meio nos sujeita às crenças, dogmas ou superstições reinantes nesse meio.
Ora, segundo a profecia de Jeremias, existe um bom caminho por onde andaram nossos pais. E, este não é o caminho do modernismo cristão pois, o bom e o antigo caminho são UM só. Este é o caminho santo que traz de volta os resgatados do Senhor rumo à glória e à alegria eterna (Is.35:8). Pelo que, estar no bom caminho é o primeiro passo rumo à salvação. Pois está escrito que: para os que enveredam por este caminho, mesmo um tolo não poderá se perder.
Agora, quero falar daquilo que está escondido por detrás daquilo que se vê. Daquilo que o homem carnal não pode ver, nem compreender ou interpretar com a inteligência e sabedoria humana.
Se é bem verdade que entendemos tudo o que foi dito até aqui, nesta pregação, poderemos então compreender que existe um verdadeiro combate… uma verdadeira batalha entre o bem e o mal; entre a luz e as trevas; entre a Verdade e a mentira. E, tudo o que se vê é apenas o reflexo das aparências naturais e visíveis que escondem as verdadeiras causas ou intenções escondidas de Satanás.
E, essa batalha espiritual só findará quando Jesus Cristo desfazer Satanás com o sopro da Sua boca.
Comos somos herdeiros de Deus e co-herdeiros do Cristo no século vindouro, é lógico que, neste século presente sejamos participantes dos Seus sofrimentos; para termos a plena certeza de poder reinar com Ele. Mas, se O negarmos, Ele também nos negará. E, como diz a Escritura: “As aflições deste tempo presente não se podem comparar com a glória que em nós há de ser revelada.” (Rom.8:18).
Nós vimos aqui na figura de Pilatos interrogando Jesus que, na maioria dos casos, a compreensão dos assuntos religiosos ultrapassam a competência do poder político pouco entendedor na matéria; mas que agem muitas vezes por agitação de alguma liderança religiosa que comem n mesa dos reis. O Evangelho da salvação não é um assunto teológico (a religião humana sim o é), nem do âmbito da psicologia, da sociologia ou da cultura; como muitos sábios e entendidos deste mundo tentam o defender.       
Quando se trata do problema da fé, a inteligência e sabedoria humana são aniquiladas e confundidas.
Pilatos não encontrou na lei romana, nem do ponto de vista de jurisprudência, nada que condenasse Jesus, e segundo a mesma lei o declarou INOCENTE. Mas, nem a sentencia de Pilatos pôs fim à esse combate entre a Verdade e a mentira; a luz e as trevas… Pois, trata-se aqui de um combate espiritual onde todas as outras esferas da vida humana (sociedade, poder político, etc.) são apanhadas no TUMULTO provocado pelo diabo e seus ministros; pensam coisas vãs e, sem saber, se juntam para combater contra o próprio Deus e o Seu soberano propósito.
Semelhante à esse tumulto de Efésio que se levantou contra Paulo e companheiros. Pois, segundo o que está escrito: “uns, pois, gritavam de um modo, outros de outro, porque a assembleia estava em confusão, e a maior parte deles nem sabia por que causa se tinham ajuntado.” (At.19:32).  
Viram isso? É Satanás que está por detrás disso. Utilizando quem? Mas, uma vez os líderes religiosos (líderes de opiniões) conduzidos aqui por Demétrio. Homens cujos interesses próprios são beliscados pela pregação do Evangelho da salvação que é segundo a Verdade de Deus (ler At.19:24-28).
Pelo que, entendemos agora o que se passa hoje. E, como já o disse aqui, a verdadeira Igreja do Cristo não pode constituir um perigo para a sociedade ou a nação. O tumulto deve-se à agitação. E, por detrás disso tudo, assistimos na realidade à uma tremenda batalha entre a Verdade de Deus e o engano. Verdade que Satanás tenta destruir, recorrendo aos poderes mundanos (políticos e religiosos) que lhe pertencem (Lc.4:6).
E, por que fazem isso? A Bíblia nós dá a resposta numa só palavra: I-N-V-E-J-A.
Pelo que, sabendo que não combatemos contra a carne e o sangue, não devemos nos importar com as pessoas; nem responder ao mal pelo mal. Devemos sim, não nos cansar de fazer o bem. E, neste caso, o bem consiste em persistir na pregação da Verdade de Deus sem olhar pela aparência das pessoas e das coisas; é obedecer na nossa vocação celestial, sem temer a ira dos homens e dos reis, como Jesus, Moisés, os profetas de Deus e outros heróis da fé.
Pilatos sabia que Jesus era livrado por inveja, mas nada podia fazer, porque tratava-se de um combate espiritual e não carnal, que ultrapassava os limites da jurisprudência e de tudo aquilo que é natural. Falamos aqui de uma batalha que envolveu até a própria mulher de Pilatos, como o confirma o relato do seu sonho (Mat.27:19). Como que, nesta batalha ninguém é poupado; ninguém pode ficar indiferente no que toca a Palavra de Deus. Cada um deve tomar posição… à favor do bem ou à favor do mal. E, no fim cada um receberá o seu galardão; segundo as suas obras. Quer seja justo; quer seja ímpio.
Falando ainda dessa inveja que caracteriza o homem nascido segundo a carne contra aquele que é nascido segundo a espírito ou a promessa, a coisa nos leva ainda muito longe… até Caim e Abel e os dois altares de adoração do princípio. Aí onde aprendemos que Deus não se deixa influenciar, nem pelo quem vem primeiro; nem pela beleza exterior; mas sim pela justeza da adoração que é segundo a Verdade. E, daí nasceu a inveja de Caim. É, à partir daquele momento que Caim (tal como Judas à seu tempo) procurava um motivo para matá-lo.
Olhando de perto na adoração de Abel, discernimos nela o fundamento da doutrina de Cristo: o Cordeiro imolado, cujo sangue cumpria a redenção do pecador. E, Satanás sabia disso! No seu combate para o aniquilamento da Verdade de Deus, ele serviu-se de Caim para matar Abel. Mas, na verdade, foi o próprio Satanás quem havia decretado a morte de Abel. E, para manifestar as suas intenções no mundo visível e carnal, ele serviu-se de Caim (o falso adorador), nascido segundo a carne, para neutralizar o que era nascido segundo a promessa.
Tendo chegado à esse entendimento, compreendemos que a ira e inveja de Caim que (humanamente falando) não tinham motivos, nem justificação, revelam-nos o que se escondia por detrás das coisas visíveis: trata-se pois do espírito anticristo agindo contra a testemunha fiel que age da parte de Deus, e segundo a Verdade, num tempo determinado.
Não se tratava pois da ira de Caim, mas sim da ira do próprio Satanás contra o testemunho da Verdade. E, como a Verdade de Deus era anunciada por uma testemunha visível; e que este se chamava Abel, foi decretado por Satanás que Abel devia morrer. Eis o que acontece em todas as gerações de adoradores. E, para cumprir o seu próprio propósito, Satanás serviu-se de Caim que originou-se dele. Pois, tratava-se de um filho de maligno ou da perdição escondido na pele de um adorador: um falso adorador que bem sabia que Deus não atentava para a sua maneira de adorá-Lo.
Foi a mesma coisa que acontece com todos os profetas de Deus. Eles foram perseguidos ou mortos pelo mesmo motivo: a inveja dos que andavam na falsidade, com medo de serem desmascarados pelo testemunho dos arautos de Deus. Agora compreendemos o que aconteceu exactamente entre Jesus (o Cordeiro prefigurado no sacrifício de Abel), Judas e os principais sacerdotes e fariseus, e que envolveu até o poder político do mundo que, como sabemos, está nas mãos do maligno que o dá à quem quiser. O que foi é o que será!
A Bíblia confirma que a semente ou raça de Caim é materialista e homicida (Gen.4:10-24). Comparados Caim com Judas constatamos que, ambos são chamados filhos da perdição. Pois que? Gerações diferentes… nomes debaixo do sol diferentes… aparências físicas diferentes, etc. mas, o espírito é o mesmo: o de anticristo que se opõe a pregação da Verdade de Deus.
O que aconteceu com Abel ou com Jesus Cristo, é o mesmo que acontece com os ministros de Cristo e a Sua Igreja no último tempo. Porque? Pois, ambos dão testemunho que as obras do mundo são más. E, tal como aconteceu no passado, hoje também, os interesses das religiões materialistas são ameaçados pela pregação da Verdade. Eis por que os religiosos detestam a verdadeira Igreja do Cristo.
E, pelos mesmos motivos que Caim invejava Abel; e que o sinédrio judeu invejava Jesus Cristo, hoje a liderança religiosa mundial inveja e teme a Igreja do Cristo, sendo ela co-herdeira do reino do Cristo sobre as nações quando tudo se cumprir.
É o combate entre a carne e a promessa; entre aqueles que são nascidos segundo a carne e os filhos da promessa, nascidos de Deus. Tal como Caim contra Abel, Ismael contra Isaque, Esáu contra Jacob, etc. Como que: nem sempre o que vem primeiro é verdadeiro. Pois está escrito: “O primeiro à apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione”. (Prov.18:17) Isto, digo, para os que advogam que as religiões seculares são detentores da Verdade primitiva. Não erreis!
A igreja do Cristo está em inimizade permanente com a religião dos homens. Não porque essa Igreja quer ser contenciosa, mas sim, porque a sua vida ameaça os interesses dessas religiões. Pois, sendo esta Igreja a coluna e firmeza da Verdade de Deus, se todos obedecer nessa Verdade, o que será da sorte desses lideres religiosos honrados pelos homens e que tem sempre os primeiros assentos nas festividades e manifestações públicas? O mesmo receio que caracterizavam a liderança religiosa judaica: “Se o deixarmos, todos crerão n´Ele, então os romanos virão e nos tirarão tanto o nosso lugar como a nossa nação”. O que isso? O medo de perder a influência e os privilégios que lhes concedem o manto de “sacerdote”. Glória que lhes concedem todos esses néscios que, ao ver esses mercenários (sejam entendidos assalariados; isto é: aqueles que só trabalham por um salário – Jo.10:12,13), pensam estar na presença de verdadeiros enviados de Deus.

 

****************************