Liberalidade e novo nascimento

Zaqueu, porém, levantando-se, disse ao Senhor: Eis aqui, Senhor, dou aos pobres metade dos meus bens; e se em alguma coisa tenho defraudado alguém, eu lho restituo quadruplicado.(Lc.19: 8)

O exemplo de Zaqueu demostra claramente que, na Igreja, entre aqueles que estão em busca de salvação, não há apenas os maus, mas também os bons ricos.
A diferença entre os dois é que o rico mau é rico para si memo... egoísta e egocêntrico; enquanto o rico é bom liberal.
            Comparamos agora Zaqueu ao jovem rico de Lc.18:18-25 e tentamos entender o que o Espírito Santo quer nos ensinar neste dia e à propósito: os dois foram ao encontro do Senhor Jesus; em busca da salvação. Um começou à distribuir os seus bens aos pobres e à pagar as suas obrigações; enquanto o outro ficou triste quando Jesus lhe diz para fazer exatamente a mesma coisa. E, precisamente por isso, afastou-se do Mestre.
Pois quê? A verdade nessas duas atitudes nos é revelada nas respostas do Senhor para ambos. Do rico mau, Ele disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas! Pois é mais fácil um camelo passar pelo fundo duma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus.” (Lc.18:24,25), enquanto de Zaqueu, Ele disse: “ Hoje veio a salvação a esta casa, porquanto também este é filho de Abraão. Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.” (Lc.19:9,10)
Vemos pois que, o que o jovem príncipe não obteve naquele dia, Zaqueu o experimentou. Que? A SALVAÇÃO, claro!
Eis o que entendo: muitas vezes ouvi pregadores irritarem literalmente ouvidos das pessoas com apelos incessantes de dinheiros... "Dai isso... e Deus vos dará aquilo"! "Venha abençoar os servos (ungido) de Deus, e o Senhor se lembrará de vós", etc. Todavia, é a SALVAÇÃO que produz a verdadeira liberalidade no crente ou cristão. Porquanto, o arrependimento que leva à conversão, gera o NOVO NASCIMENTO; ou seja, uma nova vida livre de avareza e ganância que a Palavra de Deus compara à idolatria. Idolatria que, neste contexto, é uma forma de culto às riquezas ou à Mamon, cujo escravo muitos tornaram-se sem se aperceber.
Julgai disso, vós mesmo! Os ricos deste mundo são liberais? NÃO! Em vez disso, eles são gananciosos. E, embora às vezes eles podem distribuir seus bens aos pobres, ou doar para os necessitados; fazem isso muitas vezes por alguns interesses ocultos. Pelo que, em 1Cor.13: 3, está escrito: “E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.”
         O amor (caridade) é generoso, magnânimo, benévolo ou liberal. Caso contrário, a oferta não tem valor aos olhos do Senhor Deus. E é precisamente isso que só a salvação pode produzir no coração do crente: o amor. O amor em Deus, o Salvador; mas também… o amor para com o próximo. Porque, agora somos parte do Reino de Deus. Ora, visto que o próprio Deus é Amor e Liberal; no Seu Reino: o individualismo, o egoísmo ou egocentrismo não podem subsistir. E aqui nós sentimos que vivemos também um pelo outro... também para o necessitado ao nosso lado. Sim, sentimos que devemos compartilhar nossas vidas com o próximo. Como está escrito:
“Em tudo vos dei o exemplo de que assim trabalhando, é necessário socorrer os enfermos, recordando as palavras do Senhor Jesus, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.” (Act.20: 35)

         Isso explica a atitude de Zaqueu, este homem que experimentou a salvação e alcançou o Reino de Deus: a alegria e felicidade; em contraste com o outro rico que ele, ficou muito triste com o pensamento de compartilhar seus bens com os pobres.
Sabias que a liberalidade é uma graça excelente vindo do próprio Deus? Um dom inefável produzido pelo Espírito Santo no crente? Isso é demonstrado na vida da igreja primitiva, onde as liberalidades abundaram entre os salvos, chamados a ser santos. Como está escrito:
“ Da multidão dos que criam, era um só o coração e uma só a alma, e ninguém dizia que coisa alguma das que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. Com grande poder os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Pois não havia entre eles necessitado ALGUM; porque todos os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que vendiam e o depositavam aos pés dos apóstolos. E SE REPARTIA A QUALQUER UM QUE TIVESSE NECESSIDADE.” (Act.4:32-35)
            A mesma coisa aconteceu também com as igrejas da Macedônia e em Corinto:
“Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus que foi dada às igrejas da Macedónia; como, em muita prova de tribulação, a abundância do seu gozo e sua profunda pobreza abundaram em riquezas da sua generosidade. Porque, dou-lhes testemunho de que, segundo as suas posses, e ainda acima das suas posses, deram voluntariamente, pedindo-nos, com muito encarecimento, o privilégio de participarem deste serviço a favor dos santos; e não somente fizeram como nós esperávamos, mas primeiramente a si mesmos se deram ao Senhor, e a nós pela vontade de Deus…” (2Cor.8:1-5).

            Se estiveres no Espírito, entendereis agora o que Deus quer nos ensinar neste dia. O que está acontecendo hoje nas nossas igrejas é uma verdadeira vergonha. Estamos à testemunhar um novo negócio estabelecido na Igreja de Cristo. Falamos tanto de dinheiro nos nossos cultos, que quase não sobra nenhum tempo para falar da salvação. Não se pode nem se deve nunca forçar as pessoas a pagar seus dízimos a Deus; à dar as suas ofertas ou esmolas, etc. A escritura de Gal.6:6 tornou-se num verdadeiro cavalo de batalha de muitos mercenários que invadiram a seara do Senhor por um salário; ao ponto de obrigar os fiéis à lhes dar sustento. Não façais tal, queridos irmãos! Esta prática desavergonhada desacredita todos os servos de Deus; a tal ponto que as pessoas nos encaram com preconceito. Pior ainda… só o facto de se apresentar como "pastor" em alguns círculos tornou-se motivo de vergonha; pois dando luz à muitos comentários por parte de zombadores. Portanto, exorto-vos, queridos irmãos, se são servos de Deus, não imitem aqueles mercenários nas suas práticas.
Ora vejamos, quando eu prego às pessoas que as mulheres estejam caladas nas igrejas dos santos; e que quando oram ou profetizam, devem imperiosamente pôr o véu a cabeça, esses obreiros fraudulentos se levantam contra mim e dizem: "Isto é, assim diz o Paulo". Mas quando eu me oponho a essa prática vergonhosa de contrabando do Evangelho, apelidada "a oferta do Profeta", as mesmas pessoas brandam a escritura de Gal.6: 6. Ora, quando chamo a atenção deles para o fato de que é o mesmo Paulo que escreveu aquilo, eles desta vez dizem: "É a Palavra de Deus!" De que lado passou a Verdade?
Quando eu prego que as mulheres não podem usar roupas masculinas, eles dizem: "Isso foi no tempo de Moisés. Não estamos mais debaixo da lei, mas vivemos no tempo da graça." Enquanto isso, eles insistem tanto em pregar sobre os dízimos e as ofertas alçadas tendo como base a mesma lei, de acordo Mal.3:7-12. Que espírito anima essas pessoas? Alguém me pode explicar como que um Adventista do Sétimo Dia pode, contra a lei, defender que suas mulheres podem usar calças, enquanto na mesma lei persistem em guardar o sábado como condição para a salvação? Julguem por si mesmo!
A razão fundamental pela qual eu nunca aceito ofertas de pessoas não convertidas para a obra de Deus está em 2Cor.8: 5: “…e não somente fizeram como nós esperávamos, mas primeiramente a si mesmos se deram ao Senhor, e a nós pela vontade de Deus…”.
            Por isso digo aqui que a verdadeira liberalidade, é resultado do novo nascimento. Quando o brilho das riquezas do mundo se apaga perante a divina luz das riquezas do reino de Deus; então os homens voluntariamente se desfazem de suas posses materiais para ganhar bens espirituais. Eis o que Zaqueu fez naquele dia! Isto é o que explica o comportamento desses irmãos da igreja primitiva, que vendiam suas propriedades para ajudar os necessitados. Não são os apóstolos que os forçavam a fazer isso. Não, senhores! Não mintais contra a verdade! Antes de tudo, deram-se a si mesmos ao Senhor com todo o seu coração, e depois a graça de Deus se manifestou neles. E, a grande alegria… a alegria de viver reconciliados com Deus, produziu neles abundantes liberalidades para a assistência dos santos.
Eis o que digo: quando você prega a verdade, as almas salvas abundam em gozo… dessa alegria inefável que a natureza humana não pode explicar. Então, os filhos de Deus amar-te-ão e dar-te-ão VOLUNTARIAMENTEmesmo para além dos seus próprios meios. Eu sou um exemplo vivo disso. Pelo que, louvo à Deus por esta graça.
Um homem que realmente experimentou a salvação não tem necessidade de chamadas insistentes de dinheiro para ajudar um necessitado ou ser forçado a trazer a sua oferta para a igreja, pagar seus dízimos ou partilhar seus bens com seus pastores. Se ele tiver alguns bens, alguma riqueza, algum excedente; ele irá certamente partilhar isso com o seu próximo. Sim, ele vai partilhar com os outros o que ele reconhece ter recebido pela graça divina. Ele fará isso, porque Deus sendo liberal, o "JEOVÁ JIREH" revelado que fez neste homem a Sua morada, manifestará este atributo no crente. Vai fazê-lo com alegria, porquanto: “Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.”
Para que, pois, todas estas manobras astuciosas e insistentes que visam "extorquir" o dinheiro das pessoas, e pior ainda… muitas vezes contra a própria vontade deles (porque, eles dão murmurando, e Deus detesta isso)? Porque essas pessoas estão privadas da Verdade da Palavra, e consequentemente da Salvação. E, neste caso, eles não podem receber o Espírito Santo que Deus dá somente àqueles que lhe obedecem; melhor… que obedecem aos preceitos e mandamentos da Sua Palavra. Eles não podem dar com alegria e generosidade, como Zaqueu; porque, eles ainda são escravos da ganância ou avareza; do egoísmo ou egocentrismo; cobiçando mais para si mesmos, sem ter tempo de pensar nos outros. Aqui está o porquê do jovem rico ter ficado muito triste.
Hoje, pelo materialismo triunfante na Igreja de Cristo, o que aconteceu na época em que o imperador pagão Constantino, subjugou a igreja cristã com seus dons e ofertas, acontece ainda hoje. Aqui está o discernimento: porque Constantino ofereceria dinheiro e bens à igreja cristã? No interesse oculto de se servir mais tarde desta mesma igreja para aumentar o seu próprio poder; assim como a autoridade de seu império na terra. Porque, Balaque deu dinheiro a Balaão? No interesse oculto de amaldiçoar o povo de Deus e salvar seu próprio reino e autoridade. Porque até hoje em dia, nos nossos países, as autoridades políticas dão presentes aos pastores e assistência financeira às igrejas? No interesse disfarçado de usar essas igrejas para reforçar as suas próprias influências e poderes. Apenas um homem com gritante falta de entendimento poderá não entender isso.
"O suborno corrompe o coração. “ (Eccl.7: 7)

Muitas são as igrejas e ministérios, qui vivem na dependência de alegados "parceiros" cuja missão é ajudar materialmente os ministros do Evangelho e suas igrejas. Na realidade, esses ricos maus que nem sequer sabem o que é que a salvação, subjugam pastores por causa de seus próprios interesses. Em vez de lidar com o rebanho do Senhor, esses pastores se tornam "intercessores" dedicados ao "negócio" destes homens que, entretanto, não querem se arrepender de suas vidas perversas. A igreja tornando-se assim uma espécie de "purgatório" para eles: onde eles trazem os presentes de suas más riquezas, adquiridas de fontes duvidosas… na esperança de ver as longas orações desses pastores corruptos "branquear" o seu dinheiro de toda sujeira. Ali onde, em troca de alguns benefícios concedidos a esses pastores, eles vêm "comprar" o perdão dos seus pecados, dos quais não querem desistir ainda; e esperar que um dia, mesmo depois de ter vivido toda a sua vida em pecado, possam contudo "descansar em paz" pelo poder de oração desses pastores; quer Deus gosta ou não!
            Olhai atentamente para esses ricos maus que vós chameis "parceiros" nas vossas igrejas: são pessoas, a maioria não-convertidas, e que não têm experimentado o novo nascimento. Eles nunca tiveram um encontro com Jesus Cristo em suas vidas, por isso nunca tiveram uma experiência de salvação com o Senhor. Eles corrompem pastores sem discernimento com seus presentes e introduzem o paganismo dentro da igreja (tal como fez o imperador Constantino, no seu tempo). Ou cuidai que esses pastores não sabem o quão ruim esses ricos se comportam? Claro que sabem! Mas eles têm medo de lhes dizer a verdade para não perder seus lucros. Tendo adquirido o gosto pelo ganho, eles se tornaram vítimas de chantagem espiritual; e caíram sob a influência de Mamon. Ora, ninguém pode servir à dois senhores, sem que um deles seja traído.
Mat.6: 24,25: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há-de odiar a um e amar o outro, ou há-de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário?”
           
O mundo oferece riquezas, mas Jesus nos dá a Salvação e oferece a Sua paz. Por quê? Para que não andemos inquietos quanto às nossas vidas. Pois é a preocupação pela vida (o cuidado deste século) que causou a queda de muitos servos. E, tendo caído sob a influência do materialismo, eles desprezam quem agora? O Senhor Jesus, é claro!
Não erreis: ninguém se zomba de Deus! Se és um servo de Deus, não cai nessa sedução! Se já caíste, então arrepende-te, ao ouvir essa voz que clama por vós.
Deus é o único provedor da sua igreja! E, Ele dá com liberalidade! Sim, Ele sabe como honrar aqueles que O servem e também O honram.

 

-----------------------------------------------------------------