O LOGOS REVELADO NO HOMEM NASCIDO DA CARNE :

HOMEM UNGIDO DO ESPÍRITO DE DEUS

            Trata-se pois do HOMEM e não de alguma criatura celeste. Eis porém o que deveis saber e compreender.
            O LOGOS sobre o homem de Deus é o pensamento do Cristo nele; mas não a personificação de Jesus. Ele não é um “avatar” do Cristo. Não, senhores!
Falo aqui de Deus “manifestado” no ministério do Seu servo. Ministério confirmado pelos sinais que O próprio Deus opera. Ora, segundo Heb.2:2,3 e Ef.4 :8,11 e o que vem à seguir, todos esses homens portadores de um dom do Cristo são “enviados” de Deus. E como tal, continuadores do “ministério do Filho de Homem” para anunciar esta salvação que foi anunciada inicialmente pelo próprio Senhor. Ao dizer: “tão grande salvação. A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram…”, está claramente indicado nas escrituras que se trata da continuidade do ministério que começou nos dias em que O Filho do homem anunciou essa boa nova na terra, antes do mesmo Evangelho ser-nos confirmado pelos que O ouviram. E, esses pregadores não se capacitaram à si mesmo para esta missão. É pelo um dom de Cristo que foram feitos ministros de Deus. Como confirma a Escritura de 2 Cor.3:5,6:
“Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito...”
Pois que? O LOGOS revelado no homem nascido da carne pode ser discernido nisso: se este homem fala por revelação, ou por conhecimento, ou por profecia, ou por doutrina (1Cor.14:6). Estamos pois diante da Palavra infalível de Deus capaz de nos edificar, exortar, consolar, ensinar, convencer, corrigir e instruir na justiça (1Cor.14:3; 2Tim.3:16). Mas, se ele prediz alguma coisa dele mesmo, então há fortes probabilidades que ele possa se enganar e induzir no erro os que lhe escutam. Porque, a Palavra de Deus é infalível; não o pregador. Este é um homem da mesma natureza que nós!
Consideramos agora duas coisas:
No que diz respeito à nossa pregação, o apóstolo Paulo afirma:
“O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.”(1Cor.13:8-12)
Pois que? Os dons são para os tempos presentes; pela nossa edificação. Quando a obra de Deus for consumado, não haverá mais profecias. E todo conhecimento que temos hoje sobre a divindade e o Seu Conselho, sendo comparável ao reflexo dado por um espelho (porém parcial e imperfeito), deixará lugar ao que olho nunca viu, o ouvido nunca ouviu e que jamais subiu no coração do homem. Em outras palavras: Não poderemos adquirir plenamente o conhecimento da divindade pelas profecias; antes de O ter visto face a face.
Aquela coisa nos é feita em figura aquando do encontro da rainha rainha de Sabá com Salomão:
E Salomão lhe deu resposta a todas as suas perguntas; não houve nada que o rei não lhe soubesse explicar.Vendo, pois, a rainha de Sabá toda a sabedoria de Salomão, a casa que edificara, as iguarias da sua mesa, o assentar dos seus oficiais, as funções e os trajes dos seus servos, e os seus copeiros, e os holocaustos que ele oferecia na casa do Senhor, ficou estupefata,e disse ao rei: Era verdade o que ouvi na minha terra, acerca de teus feitos e da tua sabedoria.Contudo eu não o acreditava, até que vim e os meus olhos o viram. Eis que não me disseram metade; sobrepujaste em sabedoria e bens a fama que ouvi.Bem-aventurados os teus homens! Bem-aventuradas estes teus servos, que estão sempre diante de ti, que ouvem a tua sabedoria!” (1R.10:3-8)
Perceberam isso? Ela ouviu a fama do Salomão desde a sua terra. Mentiram-lha a propósito de Salomão? Não! Era verdade o que ela ouviu. No entanto, ela constata agora COM OS SEUS PRÓPRIOS OLHOS que Salomão tinha mais sabedoria e bens do que a fama deu-lha a conhecer. Eis o que o apóstolo Paulo quer dizer, quando afirma: “em parte conhecemos, e em parte profetizamos”. Que diremos à respeito disso? O que é encarado ou pregoado como conhecimento perfeito numa geração profética, pode deixar de o ser num outro dia ou momento (tomando o carácter de um conhecimento “em parte”); quando o Senhor traz sobre a terra a revelação do desenrolamento de uma profecia que se cumpra em seu próprio tempo. Neste preciso momento, o que é em parte deve desaparecer e deixar lugar ao que é perfeito. Infelizmente, as pessoas se apegam ao conhecimento que é em parte; e dele fazem dogmas e credos. Semelhantes à esses que ouvem o som da trombeta que toca para a saída dos acampamentos, mas negam de abandonar as suas posições e de prosseguir a marcha rumo a herança das promessas. (Nu.10:1-10). Entendem pois que tais pessoas recusam de se deixar guiar pela Palavra de Deus. Ora, tal atitude não é uma manifestação da fé; mas sim uma afirmação de usos e costumes religiosos.
Se tiverem ainda algumas dúvidas à respeito do que falamos aqui, reparem no que aconteceu com os doze discípulos de João Baptista, em Act.19:1-7. Eis aqui o próprio testemunho deles, no dia em que o caminho deles cruzou o do apóstolo Paulo: “Não, nem sequer ouvimos que haja Espírito Santo.” Todavia, eles foram até lá, conduzidos pelo ministério de um verdadeiro profeta de Deus. Pois, segundo o próprio testemunho de Jesus: João era mais do que um profeta. Contudo, o conhecimento que lhes era transmitido pelo testemunho desse profeta, revelar-se-ia mais tarde, em parte. Pelo que, receberam agora o conhecimento perfeito que lhes faltava, pelo testemunho de Paulo, e avançaram na fé. Eis o que deve fazer todo homem! E, não perder o seu tempo em querer saber se entre João Baptista e o apóstolo Paulo, quem era o maior. Tal abordagem do Evangelho é obra de homens carnais; de criancinhas em Cristo (1Cor.3:1-6)
A verdadeira mensagem da hora é aquela que Deus anuncia aos vivos numa geração, pelos servos escolhidos do meio dos seus irmãos e enviados na seara para a circunstância. Escutai-os!
O homem feito, tendo a experiência da Palavra da justiça, se importa apenas com o testemunho da Palavra e não com os testemunhos dados ao respeito da pessoa de um servo. O que ele foi ou fez, pouco nos importa.

 

------------------------------------------------------