PARA ONDE CAMINHA A HUMANIDADE?
(Is.24: 1-5, 19, 20; Rom.1:24-32)

 

         Falando das últimas horas de Jesus, quero fazer uma analogia entre o tempo ou os últimos momentos que Jesus viveu sobre a terra e os últimos momentos que a Sua Igreja está vivendo na terra. Para que possamos ter o discernimento necessária e não nos deixamos seduzir. Porque, falando desse tempo em que vivemos, Jesus disse: “Acautelai-vos que ninguém vos engane… muitos virão em Meu nome e enganarão à muitos”. Mas, esses muitos são quem? Uns dizem que são as muitas igrejas que se ergueram na terra no fim do tempo; outros ainda pensam que se tratam das religiões formalistas dos homens. Mas, Jesus fala de muitos falsos profetas, como de pregadores que ensinam heresias ao invés da doutrina de Deus. Pois, nós estamos envolvidos numa grande batalha entre a crença popular e a fé bíblica. E, para que não sejamos destruídos nós, queremos procurar a luz da Verdade dentro daquilo que o próprio Deus disse. Porque, sempre ensinamos que o homem não é responsável perante Deus em outra coisa, senão na Palavra que Deus disse. E, quando um dia comparecemos perante Deus, não buscaremos justificação naquilo que as nossas igrejas ou religiões ensinavam, mas sim de acordo com a obediência na Palavra que saiu da própria boca de Deus. 
A Bíblia é feita de lições… lições que foram escritas para a nossa instrução.
         No livro de 1Cor.10:6,11, o apóstolo Paulo salienta que todas essas coisas que sobrevieram à Israel ocorreram como exemplo para nós e foram escritas como advertência para nós, sobre quem tem chegado o fim dos tempos.
E escritura de Eclesiastes pergunta: “Haverá algo de que se possa dizer: Veja isto é novo? Não! Já existiu há muito tempo, bem antes da nossa época. Só que no meio das pessoas que vivem numa determinada geração, não há memória… ninguém se lembra do que se passou na antiguidade” (Ecl.1:9,11; 3:15). Pelo que, Deus torna à trazer as mesmas coisas; pois a vida é um ciclo.
O Senhor Jesus compara a Palavra de Deus à uma semente. Ora, soubemos que a vida de uma semente obedece à um ciclo que começa à partir do momento em que o bago cai na terra, apodrece, muda de vida, vai crescendo… E, por um tempo, olhando na planta, nós esquecemos da natureza da semente que lhe deu a vida, mas na consumação do seu ciclo de vida, ela acaba por produzir frutos semelhantes ao grau que caiu na terra.
É a mesma coisa também, para a história da Igreja! A vida desta Igreja começou no dia de Pentecostes quando o Espírito Santo desceu do céu e semeou a Verdadeira Palavra nos corações desses homens fracos, rejeitados pela grande religião da época que era o judaísmo. Gente menosprezada e desprezada, mas que, sendo inspirados por Deus e animados pelo Seu Espírito, levantaram-se destemidos e ensinaram aos homens o Conselho de Deus.
E, não podemos esquecer que no começo, eles exortavam os homens à salvarem-se de uma geração perversa. Essa era: A BOA NOVA DA SALVAÇÃO!
E, nesta hora em que vivemos, pouco importa se somos duas ou três pessoas sentadas em redor da Palavra para meditarmos nessas coisas, a pergunta que devemos nos fazer hoje à luz das escrituras e longe de toda confusão das religiões dos homens, e de tudo que se chama “Deus” pelos homens é a seguinte: “Será que os tempos em que esses discípulos da primeira hora viviam são mais perversos que os tempos actuais em que vivemos nós”?
Porém, tudo o que acontece hoje confirma as Escrituras. A profecia de Is.24: 1-5 e 19,20 por exemplo, anunciava antecipadamente o envelhecimento da terra que, num determinado momento seria abalada totalmente e despedaçada. Uma terra que vacilará como um ébrio ou, tal como uma cabana apanhada numa tempestade. Uma terra que cairá para nunca mais se levantar; por causa da culpa da sua rebelião e transgressões que pesam sobre ela.
Hoje, os cientistas falam de mudanças climáticas e debruçam-se sobre o aquecimento global; e as várias calamidades que assolam a terra. A O.N.U. criou inclusive comissões e órgãos especializados na luta para prevenções de calamidades, pestes, etc.
Mas, que tecnologia… que ciência poderá conter a fúria da natureza? Quem pode prever quando e aonde acontecerá o próximo terramoto ou erupção vulcânico? Quem poderá conter o tsunami ou maremoto? Quem poderá desviar do seu transitório o furacão anunciado? Quem pode erradicar as pestes da superfície desta terra?
DEIXEI DE ACREDITAR! Sim, deixei de acreditar, que um homem ou um O.N.G. possa erradicar as pestes desta terra. Que uma organização possa acabar com a fome e a pobreza, ou trazer a paz nesta terra; travar e prever a amplitude das calamidades tais: deslizamento de terra, inundações, furacões, terramotos e maremotos.
Deixei de acreditar que a luta antiterrorista encetada pelas potências ocidentais possa travar os atentados bombistas um pouco por todo mundo. Deixei de acreditar que a sofisticação da tecnologia possa por fim as quedas de aviões, acidentes rodoviários e ferroviários. Creio sim na Palavra do Senhor Jesus que anunciou essas coisas antes dos tempos e que disse que: É necessário que isto acontecesse! (Mat.24:6-8). A profecia bíblica é infalível, e a Palavra de Deus se cumpra apesar da incredulidade de muitos. Pois, a infidelidade de alguns não pode anular a fidelidade de Deus.
Aqui está a Verdade: os esforços do homem, e os biliões investidos ou gastos em programas de segurança nacional; a segurança alimentar; segurança médica e medicamentosa, cairão em sacos rotos. A inteligência dos cientistas será aniquilada também.
O fiasco da cimeira de Noruega sobre o clima, assim que as contradições de G8 ou G20, confirmam o que diz a profecia bíblica sobre o destino duma humanidade vencida pela iniquidade; onde o amor entre os homens esfriou-se.
As inúteis guerras do Iraque, tal como a actual guerra de Afeganistão; os eventuais usos de força para aniquilação do arsenal militar do Irão ou da Coreia do Norte nunca poderão trazer a paz e a segurança tão desejada pelas nações. Pois está escrito: “Quando disserem: “Paz e segurança”, a destruição virá sobre eles de repente, como as dores de parto à mulher grávida; e de modo nenhum escaparão” (1Tes.5:3).
Nem a morte de Saddam Hussein, nem o derrube dos talibãs e a Al-queda pelo uso da força, resolverá o problema do terrorismo. Pois é: olho por olho, dente por dente! Num ciclo de violência sem igual. Todas essas guerras com recurso a alta tecnologia, as ameaças nucleares, os sistemas políticos de governação fundamentados na ditadura e tirania, numa dominação do homem pelo homem; os sistemas económicos baseados na exploração dos pobres pelos ricos e a má repartição dos recursos do planeta e suas riquezas … traduzem a forte inclinação do coração humano pelo mal.
Pelo que o mundo se fechou num ciclo de violência sem igual, como no tempo de Noé, na época que antecedeu o dilúvio. Porque? Pois, o pecado do mundo se agravou sobre ele.
Para onde caminha a humanidade hoje? Os homens se inflamam de paixões na sua sensualidade com homens iguais e casam entre si; mulheres com mulheres, com a aprovação do mundo e… a bênção dos sacerdotes. Em nome da democracia e da liberdade, a homossexualidade foi consagrada. A terra está contaminada, por causa dos seus moradores que transgridem as leis de Deus e da natureza; mudam os estatutos divinos e quebram a aliança eterna (Is.24: 1-5). Pelo Deus os entregou às suas paixões infames, como salário do seu pecado (Rom.1:24-32).
Basta de mentira de uma falsa religião, tendo a piedade em aparência, mas ocultando a Verdade, seduzindo as multidões e levando as almas na perdição. SALVAI-VOS DESTA GERAÇÃO PERVERSA!
O mundo despreza hoje a Verdadeira Ciência (a mãe de todas as ciências) por meio da qual todas as coisas foram trazidas à existência: A PALAVRA DE DEUS. E, fazendo isso, ele despreza também o OMNISCIENTE: Deus, do qual todas as outras ciências tiram suas essências. Pelo que convidamos e suplicamos à todo homem à vir junto de Deus buscar o verdadeiro conhecimento e a verdadeira sabedoria.
Falando do mosaico das religiões dos homens hoje, podemos constatar que temos muitos deuses inventados que tentam ofuscar a glória do Único Deus Criador e tornar o Seu Conselho incompreensível ao entendimento dos homens.
Na meditação do que aconteceu nas últimas horas de Jesus, queremos também tentar compreender o que acontece neste tempo, para que possamos nos situar e não nos deixar levar pelas ondas ou tempestades que vão varrendo o mundo… para que possamos resistir e persistir na vocação apesar das ameaças dos homens maus, das persecuções e outras tribulações; da sedução ou do engano.
É notório, pois está escrito que nos últimos dias surgirão muitos falsos profetas. Mas, o verdadeiro problema hoje não consiste em saber que muitos falsos profetas se levantarão; mas sim de discernir o verdadeiro do falso; discernir o bem do mal. Pois, é no discernimento que opera a salvação.
Não disse Deus: “Meu povo está sendo destruído porque lhe faltou o conhecimento”? Por isso, Deus repreende o sacerdote dizendo: “Como desprezastes o conhecimento, Eu também te rejeitei para que não seja sacerdote diante de Mim” (Os.4:6).
Ora, Deus no Seu amor, derramou o conhecimento sobre a Igreja; conhecimento que o sacerdote religioso rejeitou. Infelizmente!

 

******************************