A PARÁBOLA DAS DEZ VIRGENS E SEU CUMPRIMENTO PROFÉTICO

Mat. 25:1-6 “Então o reino dos céus será semelhante à dez virgens que tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do Esposo. E cinco delas eram prudentes e cinco eram loucas. As loucas tomando as suas lâmpadas não levaram o azeite consigo. Mas, as prudentes levaram azeite em suas vasilhas com as suas lâmpadas. E tardando o Esposo tosquenejaram todas e dormiram. Mas a meia-noite, ouviu-se um clamor: Aí vem o Esposo saí-lhe ao encontro”. Amem!
Quero por meio desta pregação, ajudar a Igreja de Cristo e ajudar os eleitos à discernir a HORA EXACTA do tempo em que vivemos. Amem! E, eu vou falar… não vou correndo… vou evoluir devagar, para ter a certeza de que cada coisa está à ser colocada no seu devido lugar. Porque o momento é importante e, ao mesmo tempo perigoso. Precisamos conhecer a verdade que pode nos libertar.
            E, como discernir a hora? Um dia Jesus repreendeu o povo de Israel dizendo: “Hipócritas! Vocês sabem discernir o aspecto do céu…”. Um exemplo, quando há nuvens, vocês sabe que haverá chuva. A noite, se o céu está limpo e que há muitas estrelas, isso significa que amanhã poderá haver muito sol, etc. Como nós temos aqui os homens da meteorologia… esses ajudam a prever o tempo. E, porque que a previsão de tempo é importante na vida do homem que trabalha? É para o homem se precaver ou se proteger. O homem avisado, vai saber se preparar para o dia de amanhã. Vai saber agendar o seu trabalho de amanhã… saber o que vai fazer exactamente, em função do tempo que vai fazer.
Aquele que não gosta andar debaixo do sol ardente, vai arranjar um chapéu; aquele que não quer se molhar arranja um guarda-chuva, etc. É por isso que a previsão de tempo é importante. Mesmo o mundo, hoje, aplica-se muito a isso. E, todos os dias, nós somos informados sobre o estado do tempo que pode vir ocorrer no dia de amanhã.
Mas, Jesus disse aos judeus: “Se vocês conseguem ler… interpretar o céu, porque que não conseguem interpretar os sinais de tempo”? Sim, hoje também, muitos são os adoradores que não conseguem discernir o tempo, nem a hora em que estamos à viver.
Um relógio material nos permite determinar o amanhecer, a hora em que nós mesmos acordamos; saber que já estamos ao meio-dia; que daqui à nada, o dia vai findar, etc. A pessoa que não possui um relógio, não vai por exemplo saber qual a hora do almoço para puder largar, assim vai continuar à trabalhar, enquanto que os outros foram descansar, e quando ele pensar em levantar para ir descansar, já é tempo de reinicio do trabalho. E, pode até apanhar uma falta injustificada se o seu chefe aparecer por ali. Entendem isso? Razão pela qual, aquele que não possui um relógio próprio está condenado à perguntar para se informar junto dos outros do tempo e da hora. É, o que faz com que, em todos os lugares de trabalhos colectivos (escolas, empresas, etc.), coloca-se alguma parte um sino e alguém apara tocar o mesmo, afim de advertir a sua gente sobre os tempos marcados.
Então, espiritualmente é a mesma coisa que acontece no cumprimento do Conselho de Deus. Pois, o Senhor também colocou sinos e sentinelas para tocar trombeta afim de advertir o Seu povo quando os tempos marcados pela profecia se cumpram. Por isso, espiritualmente também, é muito importante que o cristão saiba discernir o TEMPO, e também a HORA em que vivemos. É justamente disso que queremos falar aqui, hoje.
Coisas terríveis e difíceis, são os que vivemos nesses tempos extremamente difíceis que caracterizam nossa geração. O profeta Isaías disse: ”De tudo será quebrantado a terra; de tudo se romperá a terra e de tudo se moverá. De tudo vacilará a terra, como o ébrio, e será movida e removida, como a choça de noite. Porque a sua transgressão se agravou sobre ela, e cairá e nunca mais se levantará” (Is.24:19,20). Amem!
Apesar de toda a esperança que o homem pode depositar no mundo; a esperança de um mundo melhor; a esperança de um bem-estar social e, material… A profecia nos revela claramente que: a transgressão do mundo vai se agravando dia após dia, e a terra cairá para nunca mais se levantar.
Os olhos do profeta olharam o mundo no tempo do fim, e constataram um estado de embriaguez. O mundo hoje é semelhante à um bêbado que vai vacilando. Porque, não consegue se manter em equilíbrio.
Como pois endireitar isso? Senão pela Palavra de Deus! A Bíblia afirma que um mancebo só poderá endireitar o seu caminho, observando-o à luz da Palavra de Deus (Sal.119:9).
Assim, para que não andemos torto para à direita, nós precisamos conhecer o que Deus quer… o que Deus requer de nós. Porque, não havendo profecia, o povo se corrompe; onde não há revelação, o povo anda sem travão… para a perdição (Prov.29:18).
O estado de embriaguez que Isaías viu caracteriza, não só a corrupção moral e material, como também espiritual do mundo. Pois, assim como foi nos dias de Noé, Deus olhou a terra e disse: “Eis que toda a carne corrompeu o seu caminho na terra”.
Deus sondou os pensamentos, a imaginação dos homens: eis que os corações pensavam continuamente no mal. E, Deus decretou: “Eu destruirei o homem que Eu criei”. Amem! E, eu vou insistindo sobre isso: o salário do pecado é a morte. A corrupção da carne não conduz para salvação, mas sim na destruição. Os homens podem hoje insinuar: “Deus tanto amou o mundo… Deus ama os homens… Deus poupará”, etc. Não, Ele não poupará de modo nenhum os que vivem na dissolução. Assim como houve corrupção no tempo de Noé e, Deus decretou a destruição da raça humana e o fez; assim o fará para o tempo que está para vir. E, Jesus teve o cuidado de advertir os Seus discípulos, sobre a semelhança entre essas duas épocas (a do Noé e a que antecede a vinda do Cristo, como Esposo). É o que estamos à constatar também hoje: como no tempo de Noé, os homens encheram a terra de violência. Pelo que Deus decretou o mesmo fim para os perversos.
A terra está realmente num estado de embriaguez total. E, porque todos os profetas de Deus que se sucederam na terra, nunca se contradisseram, mas sim, pelo contrário, afirmaram exactamente a mesma coisa, se abrirmos as nossas bíblias no livro de Apoc.17, temos então a revelação de onde vem esse estado de embriaguez: o anjo que falava ao João disse-lhe o seguinte, nos versículos 1,2,3: “E veio um dos sete anjos que tinha as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas; com a qual se prostituíram os reis da terra e OS QUE HABITAM NA TERRA SE EMBEBEDARAM com o vinho da sua prostituição”. Amem!
Isaías viu essa coisa… olhou a terra e a comparou com um bêbado. Porque que a terra estava neste estado? Ele disse: por causa da sua transgressão que agravou-se sobre ela. E, Isaías, pela Palavra de Deus, disse que a terra iria cair e, nunca mais se levantaria. Aqui no texto de Apocalipse que acabamos de ler, quando Deus desvenda as coisas que haviam de acontecer, Ele mostra ao João, a grande prostituta que está assentada sobre muitas águas.
Essa grande prostituta é uma organização religiosa que está à dominar (“estar assentada sobre”, significa literalmente que trata-se de uma dominação, um domínio, um império ou uma influencia) sobre muitas águas. E, agora o versículo 15 do mesmo texto: “E, as águas que viste onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas”. Amem!
As nações (várias), as línguas, e povos de todos os cantos da terra, se prostituíram com esta mulher (Amem!) que lhes levou a transgredir os mandamentos de Deus e quebrar a aliança eterna. Como foi que isso aconteceu? Ela deu-lhes UM VINHO para beber.
Entendem aqui uma coisa: Jesus também, na ceia, deu um cálice aos Seus discípulos. Um cálice com UM VINHO. E, Ele disse: Esse é o meu sangue, o sangue da nova aliança derramado por vós”. Amem! E, essa “mulher” (a grande prostituta) que foi assentando o seu domínio sobre toda a terra, tinha também um cálice na sua mão. E, aquele cálice tinha um vinho diferente do vinho de Jesus. Aquele cálice continha um vinho que não era a aliança perfeita de Deus para com os homens, com vista a salvação. O VINHO DESSA MULHER INCITAVA À PROSTITUIÇÃO. Tudo era abominação; tudo era transgressão; tudo era provocação contra Deus, para os que se deixavam seduzir pelo vermelho desse vinho estranho. Mas, o mundo inteiro se deixou enganar e cai nesse estado. Misericórdia divina!
E, quais são as consequências do estado de embriaguez sobre um homem? Vejamos o que a natureza nos ensina: um bêbado é um indivíduo sem discernimento. Porque ele acorda de manhã e não se lembra do que se passou ontem; do que ele próprio fez. Alguém tem que ter a bondade de lhe informar. Um bêbado não sabe o que ele faz ou diz, etc. É exactamente a mesma coisa que está à acontecer com a terra inteira e os seus habitantes; quer religiosos, quer não.
E, a igreja também se encontra no mundo… ou na terra. É o que não devemos esquecer; a igreja é composta por homens e mulheres que são ainda habitantes da terra. Amem! E, a Escritura afirma que, TODOS OS HABITANTES DA TERRA beberam do vinho da prostituição dessa mulher: Babilónia, a grande prostituta, a mãe das abominações e das MERETRIZES. ALELUIA! As “meretrizes” são as prostitutas. Mas, aqui não se trata de uma prostituição carnal, mas sim ESPIRITUAL, vinda de uma grande organização religiosa, que se faz passar por uma Igreja (a “Esposa” do Cristo), mas que na realidade é uma mulher casada com o mundo (1Cor.7:34).
Uma instituição religiosa erguida segundo um modelo totalmente anticristo, quer dizer “anti-Palavra”. Dela, saíram pequenas organizações religiosas que, como a “mãe”, tomaram para si uma denominação de “igreja cristã”, mas na realidade, se livram a mesma prostituição espiritual, transgredindo os mandamentos de Deus e quebrando a Aliança eterna. Amem! E, no meio dessa grande confusão espiritual, o povo de Deus precisa reencontrar o seu caminho; este povo precisa conhecer, onde está “o bom e antigo caminho” por onde andaram nossos pais. Caminho esse, que nos conduz no descanso para as nossas almas. Como foi dito pelo profeta Jeremias (Jer.6:16).
E, para que isso acontece, precisamos sair dos acampamentos das nossas denominações religiosas, das “nossas igrejas”… e perguntar pelo bom caminho. Perguntar à quem? À esses que receberam de Deus autoridade para falar dessas coisas, e revelar o Seu conselho ao Seu povo: aqui estão as SENTINELAS de Deus.
A Verdade nos revela a verdadeira natureza de Jesus: Ele é a Palavra de Deus! A Escritura afirma que: o Nome pelo qual Se chama é a Palavra de Deus. É esse Senhor que nós precisamos adorar aqui. Um Jesus que não é; nem pentecostal, nem baptista, nem católica, nem kimbaguista, etc. O Senhor não tem nada à ver com isso!
Deus é apenas responsável da Sua Palavra. Isso, apesar de tudo que os homens pode fazer ou dizer “em nome de Jesus”. Nós nos lembramos de uma profecia que diz (em Is.4:1) que: naquele dia, sete mulheres vão se apegar à um homem dizendo: “Deixa-nos levar o teu nome, mas quanto ao nosso alimento – quer dizer ou nosso pão – nós mesmo é que vamos procurar… o vestido (o vestido simboliza a justiça) nós mesmo é que vamos comprar”.
Então, nesse estado de prostituição espiritual, temos igrejas que levam apenas o nome do Senhor Jesus Cristo (o Esposo), que confessam com os seus lábios, mas os corações estão muito longe de Deus e da Sua verdadeira Palavra; do Seus mandamentos.
É o que aconteceu com Israel. Disse Jesus: “Este povo me adora com os seus lábios. Eles Me adoram EM VÃO”. Porque? Porquanto os corações apegam-se nos mandamentos e preceitos de homens e não na Palavra de Deus.
Mas agora… quando o coração de uma mulher não está mais com o seu marido, isto significa que existe outra pessoa na sua vida; uma nova paixão; um novo amor. E, quando a nova paixão ou o novo amor não está no seu Senhor, carnalmente isso chama-se PROSTITUIÇÃO. Isso acontece quando alguém muda ou renega a sua primeira aliança para engajar-se numa outra. Mas, vimos aqui que a segunda aliança que nos apresenta Apocalipse 17 é UMA ALIANÇA DA PROSTITUIÇÃO.
Nesta forma de prostituição espiritual, a Igreja abandonou o Seu verdadeiro Dono, mas não o Seu Nome. Estão entender isso? Todos os nomes que se encontram nessas organizações estão na Bíblia. As próprias designações dessas denominações são tiradas das escrituras. Daí vem o engano para a sedução. Os temas das pregações são também tiradas das escrituras, mas quando entramos na profundeza da matéria, nos deparamos com as interpretações particulares. E, lá nesses cultos, os corações dos ouvintes estão longe da pureza da verdadeira adoração. Aleluia! Os corações se deleitam com as fábulas, genealogias e outras coisas do género… Os pregadores tiram a chave do conhecimento e impedem os homens de entrar no reino dos céus. O povo em mal de discernimento cai na perversão e é levado para perdição.
A Escritura diz: “Pergunta pelo bom e antigo caminho”. Mas, para perguntar, é necessário primeiramente sair por fora dos acampamentos. Você não pode estar por dentro e perguntar. Porque lá dentro, existe hábitos, ritos e tradições a que todo mundo já se acostumou, e considera como normal. Esses são os CREDOS; os usos e costumes religiosos adoptados pelas determinadas denominações, que contudo, nada tem à ver com a Palavra de Deus.
Em cada igreja onde você vai, você nota que o que está sendo encerrada como a doutrina da salvação, não passa de hábitos deles. Eles se identificam em determinadas coisas… eu não estou à dizer que eles não confessam à Deus, nem estou à dizer que eles negam totalmente a Palavra de Deus. A Bíblia diz que: “a Palavra de Deus é para eles preceitos sobre preceitos, mandamentos sobre mandamentos, um pouco aqui, um pouco ali”. Mas se atentarmos de perto pelas essas coisas, trata-se na verdade de uma mistura. E DEUS NÃO GOSTA DE MISTURA. Porque Deus é PURO. A Sua Palavra também… A PUREZA ABSOLUTA. É por isso que eles tropeçam e caiem.
A falta de discernimento é o que causa a destruição do povo de Deus. E, onde é que vamos buscar o discernimento? NA LUZ VERDADEIRA. Amem! Já me referi aqui na Escritura que diz que onde não há profecia, a corrupção se instala facilmente. Por isso, continuo à defender que: o que a igreja precisa não é propriamente de homens instruídos e inteligentes, com discursos baseados na excelência de linguagem, mas sim de “profetas” verdadeiramente vindos de Deus. A palavra de um profeta – pregador inspirado - é uma luz acesa. O apóstolo Pedro escreve (em 2Pe.1:19-21): ” E temos mui firme a palavra dos profetas, a qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro. Até que o dia clareie e a estrela da alva apareça nos vossos corações”. Amem!
Aqui está: PARA O POVO SAIR DA CORRUPÇÃO, É PRECISO UMA PALAVRA DE REVELAÇÃO VINDA DE DEUS, E NÃO DE SACRIFÍCIOS, RITUAIS, CERIMONIAS RELIGIOSAS, LEITURAS REPETIDAS, etc. Isso, de certeza, tem uma certa aparência de sabedoria, mas contudo sem nenhum mérito espiritual. A igreja precisa de um homem verdadeiramente ungido de Deus. Aquele que ouviu da parte de Senhor e que tem algo à transmitir ao Seu povo. Aleluia!
É assim que a Igreja será salva. Porque o apostolo Pedro, continua dizendo aqui que: mesmo atentando pela palavra dos profetas, devemos no entanto saber, primeiramente, que nenhuma profecia é de interpretação (elucidação) particular. Amem!
Prestar atenção na Palavra dos profetas é uma boa coisa, porque esta é a luz que alumia na escuridão. E, o mundo já mergulhou nesta escuridão. Já se faz noite, e a noite do que se trata não é uma noite material ou natural. Porque, na natureza, temos esse sol que nos ilumina; mas, temos também uma forma de vida espiritual que precisa de um outro Sol para a iluminar. Aquele Sol não é este astro que temos acima das nossas cabeças, esse é o Sol da Justiça: Jesus Cristo, o Sustentador de toda forma de vida espiritual. Ele é que ilumina as nossas vidas.
No tempo dessa escuridão aqui, o Espírito que falou pela boca dos Seus profetas é que continua, ainda hoje, à falar aqui pela boca dos Seus servos. A Bíblia nos ensina que devemos prestar atenção nessa palavra (esse último testemunho), porque ela é que vai nos conduzir na transição entre a noite e o amanhecer, quando aparecerá enfim a Estrela da alva.
Mas, continuo a insistir que ninguém pode interpretar como quer a palavra profética. Se ela nunca foi produzida por vontade humana, mas sim pela uma inspiração divina; também não pode ser interpretada por vontade humana, mas sim pela uma inspiração (revelação) divina.
E, onde está a loucura dos homens hoje? Eles dizem: “Eu só acredito no profeta fulano… ou no fulano de tal”. Você pode acreditar no fulano. Mas esse fulano não é o dono da Palavra que ele anunciou. Ele nem representa o Espírito da profecia. Ele apenas cumpriu o seu papel, trazendo-nos o “recado” que recebeu do Seu Mestre. Porque, se a profecia ou a mensagem do Evangelho é de um fulano, nós a Igreja de Cristo, dissemos não neste testemunho que um homem da dele mesmo ou ainda o que as pessoas dão deles, para dizer: “Sim e Amem!” no “Assim diz o Senhor” pelo testemunho de Jesus Cristo: Ele é o Espírito de toda profecia.
Os santos homens que falaram na terra da parte de Deus, vieram até nós, trazendo consigo uma REVELAÇÃO DIVINA ao mundo. Falaram inspirados pelo ESPÍRITO SANTO. Aleluia!
Aqui está o mordomo fiel que o Senhor estabeleceu sobre a Sua igreja. Não houve nenhum servo de Deus que veio na terra, sem ser inspirado pelo Espírito Santo. Não houve nenhum sequer! Foi o Espírito Santo quem inspirou todos aqueles que falaram da parte de Deus. AQUI ESTÁ O ÚNICO INTERPRETE VALIDO DA PALAVRA DE DEUS. Hoje, também precisamos dele – não de um homem – para nos conduzir em toda verdade. Precisamos, sim do Espírito Santo, para nos dar a luz sobre o TEMPO e a HORA em que vivemos.
Quando falo na minha mensagem sobre a LUZ DA TARDE e o CLAMOR DA MEIA-NOITE, estou aqui à fazer uma diferença clara e nítida entre o TEMPO e a HORA (algo que muitos pregadores julga desnecessárias, porque pensam tratar-se da mesma coisa). Porque quando se fala de um TEMPO, trata-se de algo indeterminado, que vai daqui até lá… de uma HORA para outra. E, o tempo que se trata na profecia que estudamos hoje, VAI À PARTIR DA TARDE ATÉ AO AMANHECER (a Vinda do Esposo).
Mas, em cada tempo existem horas determinadas e marcadas pela profecia, e em cada hora marcado, Deus manifesta um povo pelo cumprimento de uma determinada promessa das Escrituras. É claro que podemos assim afirmar que Jesus é o mesmo, ontem, hoje e eternamente! Amem!
PORQUE, SE NÓS ESTAMOS AQUI PARA ADORAR O JESUS DE ONTEM, OU PARA FALAR DO QUE ELE OPEROU NOS DIAS PASSADOS, ESTAMOS AQUI NUMA AULA DE HISTÓRIA. NO ENTANTO, A BÍBLIA AFIRMA QUE A PREGAÇÃO DO EVANGELHO NÃO É UMA AULA DE HISTÓRIA, MAS SIM UMA REVELAÇÃO DA VONTADE DE DEUS NO TEMPO DETERMINADO. Trata-se de uma manifestação de Jesus no meio da Sua igreja por intermédio do Seu servo ou instrumento. Mas, segundo a Escritura, Jesus se manifesta somente naquele que guarda a Sua palavra. Ele disse: “Aquele que guarda a minha Palavra, o Meu Pai o amará, Eu e o Pai viremos e faremos nele morada… Se alguém guarda a minha Palavra Eu me MANIFESTAREI a ele”. Amem!
O Senhor Jesus se manifestará, segundo a Sua promessa, àquele que guarda a Sua Palavra e Suas promessas.
Então se há pessoas que adoram conforme tudo o que acabamos de dizer aqui, voltando na parábola de Mat.25, perceberemos a grande Verdade que o Senhor Jesus quis esconder aos olhos da multidão. Porque esconder? Pois, a essa multidão não foi concedido de conhecer os mistérios do Reino dos céus. Ámen! Disse Jesus:"Estreita é a porta, apertado o caminho que leva à na salvação…". E, nesta geração que é a nossa, quantos acharão o caminho que conduz ao repouso das almas segundo a profecia de Jer.6:16? Temos na realidade multidões à adorar, e muitas igrejas… mas pouca gente passará pela porta estreita. E, esta minoria representa os eleitos de Deus desta hora característica. Amem! É precisamente para estes eleitos, que nós pregamos esta Verdade revelada ao seu tempo. Porque, muitos são chamados, mas pouco são escolhidos. E por causa destes eleitos, nós suportamos tudo, desprezando nós também a vergonha e a desonra das quais nós somos injustamente alvos, sendo olhados como mentirosos no meio dos caluniadores, embora verdadeiros. Sim, por causa deles, nós encaramos e enfrentamos valentemente todas as dificuldades e qualquer espécie de perseguição de que somos arbitrariamente vítimas, por causa desta mensagem do evangelho que nós levamos. Sendo apenas responsável diante de Deus da maneira em como cumprimos a nossa missão; sabendo que daremos um dia conta perante Ele, de tudo o que teríamos dito ou feito, para a glória ou para a vergonha. Nós permanecemos apesar de tudo firmes, fitando os nossos olhos nas maravilhosas promessas; entre as quais, a de nós sentarmos com Ele no Seu trono naquele dia; quando teremos por nossa vez derrotado toda a oposição do pecado e dos pecadores contra nós mesmos.