A REVELAÇÃO DO HOMEM DO PECADO

O retrato deste homem dado na profecia do Apostolo Paulo em 2Tes.2:3,4, evidencia duas características essenciais do Ímpio, ainda chamado: o Filho da perdição que, longe de ser um espírito ou figura moral como alguns comentaristas afirmam, é um indivíduo singular. A incarnação do diabo ou do mal; o adversário que lidera a rebelião do mundo contra Deus e Seus caminhos. Como está escrito:
- “Ele se levanta acima de tudo o que se diz Deus ou se adora”: a hegemonia da Igreja Católica Romana, considerada pelo homem carnal como a detentora da verdade absoluta sobre as coisas de Deus, coloca o seu líder: o PAPA, acima de toda autoridade eclesiástica das religiões humanas. Disso testifica o ecumenismo.
O livro de Apocalipse 17 dá-nos o retrato dessa igreja profeticamente representada pela uma mulher: A GRANDE BABILÓNIA, a mão dês meretrizes e das abominações da terra. A grande cidade que reina sobre os reis da terra. Como foi pois que atingiu esse topo? Levantando-se contra a adoração do Deus Verdadeiro. Ela embebedou-se do sangue dos santos e do sangue das testemunhas de Jesus, reprimindo e perseguindo ferozmente a verdadeira igreja da primeira hora. Se bem que, acabou por se atribuir ou usurpar o sacerdócio supremo da cristandade. Muito mais, a grande ambição desta igreja a levou na conquista do poder político que lhe concedeu o estatuto de RELIGIÃO DE ESTADO num império que exercia dominação sobre o mundo inteiro. Roma serviu-se então da sua religião, representada pela essa igreja para estender à sua influência sobre o mundo inteiro. O “papado” surgiu neste lance e liderou as sangrentas “cruzadas” contra tudo que contrariava as suas aspirações, pretensões e ambições: os verdadeiros adoradores e os judeus. O balanço dessas famosas e cruéis “guerras santas” conduzidas pela Igreja de Roma gira em torno dos quase 68 milhões de almas martirizadas por se opor ao catolicismo romano inspirado das tradições mitológicas grego-romanas. Com os poderes políticos e religiosos concentrados entre suas mãos, o Papa sujeitou debaixo da sua autoridade e a da sua igreja, os reis da terra, as nações, os povos e muitas línguas… com desígnio de usurpar ao seu tempo a adoração e a dignidade do Príncipe dos reis da terra; honra e gloria que só pertence ao Senhor Jesus Cristo. O que no princípio foi apenas um pequeno ensinamento pelo espírito enganador (o do falso profeta), ergueu-se num sistema com o coroamento de um homem: o Papa que segundo a profecia bíblica é um FALSO PROFETA, mas segundo os homens: o sumo pontifício; sua santidade… constituindo assim a mais alta autoridade religiosa do mundo; dominando sobre os reis e príncipes da terra e seus respectivos governos.
- “Ele se assenta no templo de Deus, querendo parecer Deus”: Qual é a posição ocupada pela divindade no Seu templo na representação do antigo testamento? Senão no PROPICIATÕRIO DO SANTO DOS SANTOS. Hoje, a Igreja do Deus vivo é o templo do Senhor. O homem do pecado “assenta” pois o seu trono (reinado) dentro da igreja na pele de “SANTO PADRE”; capaz de conceder as suas graças e bênções à qualquer que dele se aproximar; perdoar os pecados, arrancar uma alma danada do inferno para o “purgatório” e, mais tarde para o céu; beatificar e santificar (canonizar) os mortos, etc. Não só Deus é que tem poder sobre a vida e a morte? Não é apenas o Senhor Jesus Cristo que tem as CHAVES dos vivos e dos mortos? Aqui está a usurpação do Seu poder pelo INIQUO; o Filho da perdição que utiliza as suas próprias chaves para fazer o que lhe agrada na igreja. Ele impõe a sua própria lei; sua palavra é considerada infalível. Ele se auto-proclama: VICÁRIO (o “substituto”) DO FILHO DE DEUS (do latim: VICARIUS FILII DEI). Ora, segundo a Palavra, O FILHO E O PAI SÃO UM. Aqui está a blasfémia. Ele é também considerado como o VICARIUS GENERALIS DEI IN TERRIS (o Vicário - “substituto” - Geral de Deus na Terra). Aqui está a proclamação da sua divindade. O que confirma as fontes literárias católicas:
“Todos os nomes que nas escrituras se aplicam à Cristo, pelo poder dos quais Ele está estabelecido cabeça da igreja, são aplicável ao Papa”. BELARMINO. ON THE AUTORITY OF COUNCIL, Livro 2, Cap.17
“Tu és o pastor, tu és o médico, tu és o director, tu és um outro Deus na terra” LABRE AND COSSART HISTORY OF THE COUNCILS, publicado em 1672, Vol.44. Col.109
“O papa tem poder de mudar os tempos e de revogar as leis, de dispensar todas as coisas, até os preceitos do Cristo. DECRETAL DE TRANSLAT, EPISCOP. CAP.
         ISTO NÃO É UMA COINCIDÊNCIA! Não meus senhores!