A SALVAÇÃO QUE ESTÁ EM CRISTO:

TEMA DA PREGAÇÃO NO PENTECOSTES
   
            A presente pregação pretende iluminar a compreensão dos eleitos sobre o Conselho de Deus no que diz respeito A SALVAÇÃO QUE ESTÁ EM CRISTO. Esta salvação que foi realizado na cruz do Calvário pela ocasião da Páscoa, e confirmado no dia do Pentecostes pela descida do Espírito Santo sobre a Igreja de Cristo, que Ele adquiriu para Si mesmo pelo Seu precioso sangue.   
Eu vou me insurgindo constantemente na minha pregação do Evangelho contra o que eu considero como as histórias da salvação mal contadas e que, ao longo das gerações ou eras das igrejas que caracterizam os tempos dos gentios (ou nações), geraram as falsas mensagens do Evangelho que por suas vezes mudaram a Verdade de Deus em mentira ao exaltar simples criaturas à dignidade do Messias-Redentor. Hoje as almas mal firmadas e sem experiência da Palavra da Verdade que deram ouvidos à essas fábulas, naufragaram em relação à fé. E no seu zelo sem entendimento para uma religião sem vida, essas gentes nem sequer se aperceberam que acabaram por se distanciar do Seu Verdadeiro Salvador: O Autor e Consumidor da fé desta igreja que veio à luz no dia de Pentecostes.   
As histórias do Evangelho mal contadas por meio das quais o espírito do engano inspirou as fábulas e genealogias sem fim que produziram os cultos das personalidades nesses movimentos religiosos caídos da Graça e privados da Verdade. Semelhante ao culto do Bezerro de ouro no deserto (Êxodo 32), quando o Deus-Salvador viu a Sua glória usurpada na compreensão dos adoradores à favor de um ídolo criado, pela pregação de Aarão que gerou naquele dia uma falsa fé.    
Contrariando o Senhor Jesus Cristo que disse: "Edificarei a Minha Igreja", essas histórias da salvação edificaram igrejas de homens; os reinos destes homens adorados como se de  "Deus" se tratasse, nessas denominações religiosas identificadas pelos seus nomes. Aí, onde a obra do ministério tomou um carácter hereditário, transferível do pai para o filho com fins de proteger os interesses da família; ou então, posto sob a liderança de fanáticos para perpetuar a memória do "fundador".    
Suportai um pouco de loucura da minha parte, quando eu falo assim. Mas, o zelo da casa de Deus me obriga à isso.   
Escrevo-vos neste dia para ajudar os eleitos à compreender a grande diferença que existe entre a Igreja de Pentecostes e o Pentecostalismo organizado.
Falando assim, nós não queremos ser diferentes destes homens que caíram pela influência do engano, para os humilhar pela nossa pregação. Nunca nos esquecemos que tanto quanto nós, eles também estão à procura da salvação. Não podemos esquecer que a Bíblia declara que Deus quis que: "…buscassem ao Senhor, se, porventura, tacteando, o pudessem achar" (Act.17:27). Contudo, não queremos, nem podemos nos identificar ao sistema deles de adoração que é completamente anticristo. Aquele que me separou para falar destas coisas disse-me: "Combater a acção dos espíritos enganadores e restabelecer a Verdade. Eis a obra para a qual Te chamei".    
É isso que nós procuramos pelo nosso testemunho do evangelho: a restauração da Verdade original. Nós queremos por esta mensagem da restauração, de acordo com o que está escrito, despertar as virgens prudentes da sonolência e adormecimento espiritual; e ao mesmo tempo, indicar as veredas antigas, menosprezadas e rejeitadas pelos defensores do Cristianismo modernizado. Pois, nessas veredas antigas se encontra o BOM (e ÚNICO) CAMINHO capaz de nos conduzir ao descanso de nossas almas, como também o disse (e bem) Jeremias, o profeta (Jer.6:16). Constrangidos pelo amor, nós lutamos para edificar a Igreja de Deus na Verdade. Falamos assim, sem procurar, como faz alguns, vangloriar-nos na ignorância dos outros. Porque, o orgulho antecede a queda, e a humildade a glória.
Quanto à mim, limito-me à compartilhar a Palavra com todos esses que amam à Cristo e aguardam a Sua vinda, independentemente das denominações onde eles se encontram. Falo sem atentar pela aparência de homens ou das coisas. Não procuro agradar um grupo determinado em detrimento do outro na minha pregação. Embora para alguns, acabei me transformando num inimigo à abater. Não me lembro uma só vez ter já participado ou animado um debate contraditório sobre a Palavra de Deus. Eu não contesto, nem opino sobre as coisas de Deus, digo: "Amem! " na Palavra de Deus.    
Pelo que, não deixo de exortar todos esses à quem Deus concedeu pela graça o poder de entender essas coisas, à permanecer humildes depois de ter recebido o conhecimento da Verdade. Não discutem as opiniões com os fracos na fé! Não podemos nos vangloriar de conhecer por nós mesmos. Porque, se há algum conhecimento, lembremo-nos que todo dom excelente vem de Deus para a edificação dos outros. Todavia, existe também, no nosso meio, um falso conhecimento que caracteriza o dogmatismo das igrejas de denominações. Guardai-vos desta falsa semente!   
   
Que Deus os abençoe!