TODOS OS PROFETAS ANUNCIARAM ESTA HORA

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venha assim os tempos de refrigério, pela presença do Senhor, e envie Ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado,  o  qual convém que o céu contenha, até aos tempos de restauração de tudo, dos quais Deus falou, pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio” (At.3:19-21)

Hoje, grande é a escuridão espiritual que cobre os povos da terra (Is.60:2a), e isso, apesar de suas muitas religiões, seitas ou igrejas, correntes filosóficos, etc.
         O poder financeiro e material, a influência no mundo político ou na sociedade; as grandes realizações, assim como os programas cada vez mais ambiciosos dessa ou daquela denominação religiosa, demonstram a ansiedade cada vez mais crescente dessas organizações ou instituições religiosas cuja maior preocupação consiste em afirmar-se aos olhos dos homens e de seus príncipes; à alimentar e reforçar sua parceria e aliança com os governos desse mundo do que em agradar à Deus, fazendo Sua vontade.
         Disse um dia Jesus aos que se justificam eles mesmo diante dos homens : O que entre os homens é elevado, perante Deus é abominação” (Lc.16:15). O que confirma também a solene declaração dos apóstolos diante das autoridades religiosas reunidas em Jerusalém: É preciso obedecer à Deus do que aos homens” (At.4:19;5:29).
Essa atitude que caracteriza a “nova era” religiosa mundial e seus seguidores e aliados se revela claramente nos vários movimentos ecuménicos que vão nascendo todos os dias à grande ou menor escala, e que se preocupam mais em conquistar um lugar na cena político-social, em busca de legalização e legitimação dos homens em vez de buscar a vontade de Deus, foi afastando a Igreja de Jesus Cristo da sua verdadeira vocação que é celestial. Consequência: todas as pregações hoje em dia fundamentam-se no materialismo e se traduzem numa conquista do bem-estar num mundo melhor; enquanto que a Palavra de Deus, do Antigo ao Novo Testamento, anuncia o fim iminente de todas as coisas e a necessidade do cristão de se salvar deste mundo perverso.
         Importa-me sublinhar aqui, como o fez o apóstolo Pedro no segundo capítulo da sua segunda epístola, que, pelo passado, muitos são os homens que constituiram a falsa raça de profetas que se preocuparam em agradar à homens nos seus discursos e não só, se opositaram ao ministério dos verdadeiros profetas de Deus. Como Coré, Datã e Abirão (Nu.16) contra Moisés e Arão; Hananias (Jer.28) e os profetas de Samaria contra Jeremias; Zedequias e seus quatrocentos colegas contra Micaías (1R.22); os sacerdotes de Jerusalem contra Jesus e Seus discípulos, etc. E levaram assim os seus contemporâneos na corrupção. Hoje também, muitos falsos profetas se levantaram no mundo e enganaram a muitos, trazendo consigo a apostasia.
Essa corrupção generalizada, não só jogou Jesus e Sua doutrina fora da Igreja (templo ou casa de oração de todas as nações – Apoc.3:20) como Israel o fez no dia da sua visitação; mas também, contrariou e levantou a sua bandeira contra o ministério do Filho do homem que, pelo Espírito Santo, se cumpra nos instrumentos escolhidos e ungidos pelo próprio Senhor Jesus Cristo (segundo Ef.4:10-16), para falarem da Sua parte e revelarem aos Seus santos: O CUMPRIMENTO NO TEMPO OPORTUNO DO CONSELHO DE DEUS. Porque, uma coisa é falar do Nome de Deus e uma outra falar da Sua parte, como também, uma coisa é trabalhar para o Senhor e uma outra coisa trabalhar com Ele. Os que se recomendam à si próprio na seara do Senhor podem muito bem pretender falar em Nome do Senhor e trabalhar para Ele. Mas contudo, seu ministério caracteriza a “voz dos estranhos ”, como nos ensina o Senhor Jesus na parábola de Jo.10. Enquanto a “voz do Bom Pastor ” só pode ser ouvida pelo ministério de um verdadeiro ungido.
         No entanto, acontece hoje que todos os que foram vencidos pelo espírito do erro, são unânimes em afirmar e ensinar que Deus já deixou de falar pela boca de pessoas inspiradas vivendo nos nossos dias. Hoje, os cristãos, tais como os judeus na época, examinam as escrituras e procuram a vida eterna nos estudos bíblico baseados nos ensinamentos dos “fundadores” das suas respectivas organizações; “inspiradores” da suas doutrinas e por fim, não conseguem discernir a obra que Deus tem operado no nosso meio nesta hora em que vivemos.
         Porém, TODOS OS PROFETAS ANUNCIARAM ESTA HORA! E, é nos anúncios feitos pelos Seus profetas que devemos buscar Deus e o achar. Pois Ele disse:
“Lembrai-vos das coisas passadas (as primeiras coisas), desde a antiguidade, porque Eu sou Deus... que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam, que digo: O MEU CONSELHO SERÁ FIRME, E FAREI TODA A MINHA VONTADE” (Is.46:9-11). E ainda: “...Eu velo sobre a minha Palavra para a cumprir” (Jer.1:12)
         Sim, a fidelidade de Deus na Sua própria palavra constitue o alicerce na obra da edificação do Seu povo na verdade. O QUE ELE PROMETEU, ISSO FARÁ. Deus é revelado na Sua promessa e, é manifestado num tempo determinado aos adoradores pelo cumprimento dessa promessa. Tudo o resto é para a ruina das almas. Foi o acto de ter vigiado na revelação da Palavra de Deus que Noé, Lot e tantos outros antes de nós, conseguiram se salvar. E hoje nós, não temos outra alternativa.
O homem do Conselho de Deus (Is.46:11), é o instrumento indispensável no cumprimento das promessas de Deus, para que se confirma pelo seu testemunho, o que Deus disse desde antigamente, e que por este meio, Deus executa Seu propósito. Foi por isso que Jesus disse aos judeus: A obra de Deus é esta: Que acreditem naquele que ele enviou” (Jo.6:29). Pois, quem recebe o enviado do Senhor, recebe o próprio Jesus e consequentemente o próprio Deus (Mat.10:40). Como pois reconhecer o verdadeiro enviado do Senhor? Nisto: Aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus”(Jo.3:34). Outrossim, Aquele que diz que está nele, tambem deve andar como ele(Jesus)andou” (1Jo.2:6). Discernem pois, ó povo Seu, a presunção e a mentira dos que se apresentam à vós como enviados de Deus e ensinam doutrinas que não constam na Bíblia.
         Um enviado de Deus não se apresenta na Igreja como sendo ele mesmo o Cristo (um salvador, redentor, Filho do homem, etc.), nem Seu representante, e muito menos a Luz. Ele é apenas uma testemunha, na sua geração, do cumprimento das promessas de Deus pelas quais os crentes identificados como “filhos da promessa” são feitos filhos de Deus e co-participantes da natureza divina (Jo.1:12; 2Pe.1:4). Como instrumento, ele também faz parte desta pomessa, e no tempo determinado o Espírito de Deus é lhe dado pelo um dom da graça para falar dessas coisas. Este enviado fala “as palavras de Deus” e,  a promessa da Escritura é vivificada (torna-se manifesta) pela unção do Espírito Santo.
No entanto, convém-nos saber que, no deseronlamento do plano profético desvendando o Conselho de Deus, há duas coisas à ter em conta: o ANÚNCIO e a CONFIRMAÇÃO. O Apostólo Pedro nos ensina (2Pe.1:19-21) que, todos esses profetas que houve antes de nós, desde antigamente, falaram inspirados por Deus para ANUNCIAR Seu Conselho: eles – sendo debaixo da lei - profetizaram da graça que nos foi reservada. Eles viram e saudaram de longe o dia do cumprimento. Hoje porém – na era apostólica - nós vivemos o cumprimento ou a confirmação dessas promessas proféticas (Heb.11:13,39,40).  João na Ilha Patmos, foi arrebatado no Espírito, e como os outros profetas, viu de longe e anunciou as coisas que hoje, se cumpram aos nossos olhos. E assim como no dia do ANÚNCIO se levantou um homem do Conselho de Deus, mandatado por Ele; no dia da CONFIRMAÇÃO (ou do cumprimento), Deus levantará também um outro instrumento vindicado pelo Seu Espírito, segundo a promessa da Escritura, e que surge no tempo determinado na sua geração, para confirmar a visão, e desvendar o segredo de Deus. Quem conheceu o pensamento de Deus para o poder instruir? Senão aquele à quem Deus o quiser revelar (Mat.11:25-27). Aqui está a obra de Deus no tempo determinado!
E como ninguém conhece os tempos ou épocas que Deus estabeleceu pela Sua exclusiva autoridade (At.1:6), ninguém também pode, por si próprio, tomar a dignidade de ser profeta de Deus numa dada época ou geração, sem um mandato divino expresso (Heb.5:4). Ó gostaria tanto que todos nós pudessemos entender isso!
Está escrito: “O Homem não pode receber coisa alguma, se lhe não for dada do céu” (Jo.3:27). E se tal graça foi-lhe dada, onde está o sujeito de se gloriar nele? Senão nAquele que faz dons aos homens. Pois, Esse é o maior de todos.
         Muitas vezes, já assisti (para minha grande tristeza pois), homens que se reunem, não para procurar coisas que dizem respeito a sua salvação, mas sim para discutir sobre as pessoas de servos de Deus, questionando: Quem seria o maior entre eles? A Palavra de Deus nos revela que os que fazem tais coisas são carnais, pelo espírito mundano que dentro deles, causa divisões e seitas na Igreja do Cristo (1Cor.3:1-8). E fazendo fé nos ensinamentos da Bíblia, tais homens – pouco importa o que dizem deles mesmo – não podem herdar o reino do céu (Gal.5:19-21).
Deus mede a grandeza de Seus servos pela sua capacidade em servir e sua fidelidade no ministério (Mat.20:26,27; 1Cor.4:1,2). Por isso, estou também na Igreja do Cristo como aquele que serve, e não como aquele que lidera ou que disputa a graça para igualar quem quer que seja. Cada um tem a sua justa medida segundo o bel-prazer dAquele que concedeu dons aos homens. Não sendo como aquele que procura impôr-me com o meu testemunho, peço contudo que me suportais um pouco, esta vez mais, afim de me permitir de vos transmitir o que Deus me deu para vós. Porque, não convém julgar ou condenar alguém sem o ter ouvido primeiro e ter conhecimento do que ele faz (Jo.7:51). E, se a nossa justiça (nós da Igreja do Cristo) não exceder a dos judeus, como poderemos alcançar o reino de Deus?
Na minha pregação de hoje, fazendo fé na profecia do apóstolo Pedro em Act.3:19-21 como que, Jesus Cristo havia de permanecer no céu até aos tempos de RESTAURAÇÃO DE TUDO, tento persuadir os homens e sobretudo a verdadeira Igreja do Cristo, considerada como “seita” pelas igrejas mundanas e as suas crenças populares (At.24:14), de se converter de seus maus caminhos: essas doutrinas estranhas que a matêm nos laços da apostasia, afim de adorar o DEUS REVELADO NA PROMESSA DESTA HORA DERRADEIRA que se cumpra e nos traz os tempos de refrigério. Segundo o que foi anunciado pela boca de todos os profetas de Deus que houve antes de nós, como que: nos últimos dias, apesar da apostasia dominante, a verdadeira semente será restaurada. A DOUTRINA REVELADA pelo próprio Senhor aos Seus apóstolos, será de novo a pedra fundamental na obra da edificação da verdadeira Igreja de Jesus Cristo. Assim como a quarta geração de Israel regressou em Canãa pela Palavra da promessa que se cumpriu ao seu tempo; a verdadeira semente da Igreja do Cristo nesta última geração, pela “mensagem da restauração”, voltará também no “terreno das promessas”: o fundamento original e primitivo, edificado pelos “pais”. Aqui está a “Mensagem da hora” que vos anunciamos neste último tempo: o sustento dado ao povo de Deus no tempo oportuno. Ilustrado pelo “maná” que alimentava Israel no dia do exôdo rumo a terra da promessa. Que o inteligente entenda essas coisas e o sensato as guarda!
Bem-aventurado os que não se deixam levar pelo vento da sedução.
E como diz a Escritura:“As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que O amam. Mas Deus no-las revelou pelo Seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as pofundezas, ainda as profundezas de Deus”. (1Cor.2:9,10)
É por estas palavras que eu vos convido à examinar comigo A QUINTA VISÃO do profeta Zacarias, que nos desvenda hoje seu segredo, porque o tempo determinado nesta visão se cumpriu!