UMA MENSAGEM PARA O ULTIMO TEMPO?

A presente pregação trata hoje de despertar a atenção dos adoradores sobre o MISTÉRIO DO PECADO ou da INIQUIDADE que já opera na Igreja de Jesus por intermédio de um SISTEMA de adoração totalmente ANTI-CRISTO, mas que seduz pela uma certa aparência de piedade e de sabedoria que reveste os CULTOS ORGANIZADOS, não em torno de Cristo e da Sua Palavra, mas sim em torno de homens em que os fiéis se gloriem. Rejeitando deste modo a sã doutrina da fé nAquele que estava desde o princípio. Se Deus, outrora, fez o anuncio de uma coisa pela boca de um dos Seus profetas, um outro profeta (pregador) tem que se levantar no dia da consumação do Conselho de Deus para anunciar o CUMPRIMENTO desta promessa; para CONFIRMAR e autenticar A VISÃO. Assim surge a minha mensagem ou testemunho do Evangelho, em cumprimento daquilo que foi anunciado para os últimos dias.
         A mensagem da restauração que eu anuncio na Igreja neste fim das eras que caracteriza o desfecho da dispensação feita por Deus para o arrependimento e a integração dos gentios no seu plano de salvação, nos é ilustrada no Antigo Testamento com o regresso dos judeus na sua terra, no fim de 70 anos de cativeiro na Babilónia. Tal como Deus o tinha anunciado pela boca do Seu profeta Jeremias. No último ano, Deus levantou Daniel e deu-lhe a revelação de muitos mistérios. Contudo, foi no fim determinado para o cativeiro que Zorobabel e seus companheiros regressaram na terra das promessas e se levantaram para edificar a Casa de Deus assolada: “Nem por violência, nem por força, mas pelo Espírito de Deus” que os animava para esta obra.
As coisas acerca das quais decidi vos escrever hoje me foram dadas à conhecer numa noite de sexta-feira, 5 de Janeiro de 1996; quando, numa visão de noite, a Palavra do Senhor me foi dirigida nesses termos: Eis que TODA a carne corrompeu o seu caminho na terra!. Foi uma atestação! E, lembro-me perfeitamente da profunda tristeza que ressenti naquele dia depois de ter ouvido Aquela “Voz”. Apercebi-me da Invisível Presença ao meu lado; ouvi a Sua voz, mas contudo não vi ninguém. Logo ao amanhecer, meditei nas Escrituras o que tinha acontecido no tempo de Noé, e entendi o que se passava no mundo actualmente. Mas uma pergunta persistia em mim: não diz a Bíblia que “não há condenação para aqueles que estão em Cristo”? Será que a corrupção estava também instalada no meio dos “filhos de Deus”, como na época antes do dilúvio? E de que maneira! Um mês mais tarde (desta vez foi no sábado 10 de Fevereiro do mesmo ano), o anjo do Senhor me visitou de novo. Escutei esta VOZ me falar demoradamente sobre os acontecimentos dos últimos dias na igreja, e no fim, me foi dito isto: “Porque Cristo não virá sem que venha primeiramente a apostasia”. Digo a verdade e não minto, Deus é testemunha. Mal que saí da visão, apontei essas coisas num papel, assim como a data para não me esquecer depois. Não quero, apesar de tudo, que alguns de vós ultrapassam, ao meu respeito, os limites que me foram concedidos pelo um dom da graça de Deus que fez de mim um ministro do Evangelho. Não segundo a letra, mas sim pelo Espírito, afim de profetizar para as igrejas, das coisas que ouço e vejo: as que Deus preparou para os que O amam.
Quanto à mim, entendi desde aquele dia que essa advertência do Senhor era indiscutivelmente um sinal anunciador do fim. Fim de que? Do tempo (ou ano) da graça que foi decretada sobre a terra; afim de que pela Igreja, a salvação pudesse alcançar as nações. Essa revelação da corrupção generalizada ora instalada no mundo e nas igrejas confirmava a grande apostasia anunciada nas Escrituras (2Tes.2:1-3). O que significa para os santos que: estamos na IMINÊNCIA (aproximação) DA VINDA DE JESUS.
Ora, a Bíblia afirma que, o advento da APOSTASIA será seguida da manifestação do HOMEM DO PECADO. Pois, o MISTÉRIO DA INIQUIDADE já opera entre nós. Eis a razão pela qual, divinamente avisado, me esforcei tão-somente, de pregar o Evangelho da Vinda de Cristo, afim de preparar Sua Esposa para as bodas. Mantendo-me longe de todas as “tendências”, “divisões” ou “seitas” de uma igreja dividida pela loucura de homens carnais em busca de interesses próprios. Esses que presumem falar e agir da parte de Deus, sem portanto ter recebido dEle mandato para o fazer.
Na minha pregação “A MULHER E O DRAGÃO”, já na altura (em 1999), prometi falar sobre este assunto. Hoje, SETE anos passaram, desde que a revelação me foi dada. Olhei atentamente o desenvolvimento dentro das igrejas de tudo o que me foi dito, e realizei, não só a misericórdia que eu tivera alcançado, como também a graça que me foi feita, à mim também, o mais pequeno dos escravos do Senhor. Esse Grande Deus que nunca fez nada, sem revelar primeiramente Seu segredo à Seus servos, os profetas. Sendo todos pregadores ungidos – e não intelectualmente instruído – por Ele próprio, para cumprir o Seu decreto. Hoje, pois, a profecia e a visão se cumpriram, permitindo-me à través desta pregação, falar aos santos dessas coisas que contemplei e ouvi; em confirmação das Escrituras, no livro de Apocalipse, capítulos 1,2,3,13 e 17.
Nesta hora avançada da noite, aproximo-me do altar que já foi restaurado no tempo da tarde, segundo uma promessa das escrituras, para apresentar o meu sacrifício: o fruto dos meus lábios confessando Aquele que estava desde o princípio, o Autor e Consumidor da nossa fé; o Esposo à quem pertence a Esposa. Vim dar testemunho da verdade acerca dessas coisas gloriosas que Deus tem obrado no nosso meio nessa “última hora do último tempo” que vivemos. E, revelar à Sua Igreja, o grande conflito que, ao longo da dispensação da igreja das nações que revelou a vocação dos gentios, opõe: o “mistério da piedade” agindo no “pequeno rebanho” pelo Espírito Santo ao “mistério da iniquidade” agindo no sistema anti-cristo das denominações pelo espírito do erro.
Falo dessas coisas sem olhar pela aparência de pessoas, nem de coisas. Não represento, nem falo sequer em nome de alguma organização, denominação ou tendência, das já existentes, que mutilam e dividem a Igreja e corpo do Cristo. As similitudes e outras analogias que possam vir à ser constatadas entre o meu ministério e as minhas palavras e o testemunho desses gloriosos servos de Deus que me antecederam, são provas inegáveis do ministério ÚNICO do Espírito Santo que age ainda no meio da Igreja afim de preparar a Esposa do Cristo para o arrebatamento que está próximo. Nesta hora da noite em que as trevas cobrem a terra e a escuridão os povos, o nosso testemunho visa à despertar a atenção dos santos sobre a glória do Senhor que resplandece sobre nós, neste momento característico (Is.60:1,2). Porque, para os filhos da luz, já é hora de despertar do sono e atentar pelo o azeite necessário para manter as lâmpadas das virgens prudentes acesas, até a vinda do Esposo. Recorrer ao azeite significa: dar ouvido ao Espírito que fala agora no nosso meio, pela UNÇÃO DA MEIA-NOITE.
A minha pregação não é fruto de estudos ou leituras repetidas baseadas na imitação do que foi feito por outros servos antes de mim. Limito-me tão-somente à pregar este Evangelho, tal como me foi ensinado pelo próprio Senhor. Deixando à cada um, o cuidado de discernir; de examinar esta profecia e reter o que é bom para sua edificação. Recebi mandato do Senhor (e não de um homem), como doutor; assim como a uma comissão, quando me foi dito: Denunciar as acções dos espíritos enganadores, e restaurar a verdade, eis a obra para a qual te chamei”. Não pretendo insultar, menosprezar ou magoar alguém pela minha pregação. A responsabilidade na obra da edificação da Igreja de Deus é um assunto individual. Pelo que cada um dará conta por si mesmo. Quando, naquele dia, a obra de cada um passará pelo fogo para ser provado. Como doutor, limito-me à observar tudo que se faz e diz nas igrejas, projecto isso nas Escrituras e procuro um contexto bíblico. Segundo o que está escrito: “Ninguém pode lançar um outro fundamento, além do que foi posto...” (1Cor.3:11);e bem como: “Ainda que nós mesmo, ou um anjo do céu, vos anuncie outro evangelho, além do que já recebestes, seja anátema” (Gal.1:8,9).
Estou consciente da minha responsabilidade para o “pequeno rebanho” nesta hora da noite que antecede a vinda do Cristo, o Esposo. Esta é a minha resposta para todos aqueles que andam por aí afirmando que estou à pregar “outras revelações” (como se fosse as minhas próprias) na Igreja do Cristo. A esses, como à todos, exorto para que tenha bom senso suficiente para receber primeiramente o nosso testemunho dessa gloriosa obra da RESTAURAÇÃO que Deus está à levar à consumação neste dia do fim. Para depois examinar à luz das Escrituras, se de facto as coisas são assim como as ensinamos. Isto é o que nos aconselha a sabedoria bereiana (At.17: 11). Pois, a lei de Deus nunca condenou ninguém ser ter conhecido primeiramente o que diz ou faz. E se dizemos a Verdade, porque alguns não crêem? Bem-aventurado o povo que conhece o som da trombeta, andará à luz da face do Senhor! Como está escrito.
 Andemos pois, ao som da trombeta que os “sacerdotes, filhos de Arão” desta hora derradeira tocam para nós. Pois, somente eles receberam do Senhor mandato para o fazer. E, quem são eles? Senão todos aqueles que não tomaram para si mesmo a dignidade de servir Deus, como pastores, evangelistas, doutores, apóstolos ou profetas, baseando-se nas experiências, ancianidade, ordenações sacerdotais, leituras, meditações, estudos de livros ou brochuras, nos “assim diz fulano ou fulano de tal”, etc. Mas sim, aqueles que foram expressamente chamados por um decreto divino, como aconteceu com Arão (Heb.5:4). Suportai um pouco de loucura da minha parte! Bem-aventurado aquele que não se escandalizar em mim!
Aos eleitos que compõem o “Pequeno Rebanho” do Senhor, e que aguarda pacientemente a Sua vinda, dedico esta pregação. Possa o Espírito Santo que inspirou estas palavras alimentar, à través delas, as vossas lâmpadas e iluminar os olhos do vosso entendimento, afim de vos despertar do adormecimento e sono profundo onde a apostasia levou as igrejas: essas formosas virgens que desmaiam de sede neste dia difícil do fim, segundo o que foi escrito (Am.8:11-13; Mat.25:5).

Que Deus vos abençoe!