A VERDADEIRA MENSAGEM DO ÚLTIMO TEMPO

 

 Mas a meia-noite, ouviu-se um clamor: Aí vem o Esposo saí-Lhe ao encontro. Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. E tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta(Mat.25:6-10).
         Para que toda essa polémica em torno da “Mensagem do último tempo”? Isso deve-se ao facto de muita gente ter sido mal instruída sobre o Conselho de Deus e acerca do Reino dos céus. Porém, segundo o testemunho de Jesus, o Reino de Deus é anunciado desde o tempo de João Baptista. Ora, o Reino de Deus consiste na restauração da glória divina na humanidade; isto é, Deus revelado em Cristo Jesus reconciliou o mundo consigo mesmo, depois da separação do Éden. Pois que? Deus suscitou um segundo Adão; Um Espírito vivificante para regenerar o que estava morto por causa do pecado. Um Redentor que iria reparar o que foi feito no começo e libertar a raça de Deus (o homem sendo criado na imagem de Deus) do jogo satânico. O Redentor, sua obra consumada, veio à ser o Verdadeiro Herdeiro de todas as coisas. Ora, assim como ao Adão foi dado uma esposa para que se multiplicasse, enchesse a terra e dominasse sobre ela; à Jesus Cristo, Deus suscitou também uma esposa pela Igreja, que irá compartilhar a glória do Esposo e reinar com Ele (como co-herdeira) quando todo for consumado.
Aquando da Sua primeira vinda, Jesus Cristo veio pois na condição do Messias, o Salvador do Seu próprio corpo, para resgatar a Sua co-herdeira. Ele deu-lhe a Sua Palavra, e o mundo os aborreceu, porque a Esposo não é deste mundo como o Esposo também não o é. Agora, a glória de Deus manifestado no Cristo, o Esposo, repousa também doravante sobre essa esposa que foi destinada à “estar com Ele onde Ele estiver” (Jo.17:6-24). Pelo que, Jesus fez a promessa do arrebatamento à todos esses homens que Deus deu-Lhe do mundo (Jo.14:1-3): “E, se eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”. É necessário notar que essa gloriosa e importante promessa do arrebatamento foi claramente revelada pelo próprio Senhor Jesus Cristo, por duas vezes: primeiro quando Ele se dirige aos seus discípulos (Jo.14:3) e depois quando Ele se dirige ao Pai celestial (Jo.17:24). Pelo que, independentemente do que ensinam algumas religiões, a ida dos eleitos na glória pelo arrebatamento é mais do que uma evidência.
Ora, o Conselho de Deus se caracteriza por duas alianças: a Antiga aliança firmada com Israel e que implica a Lei e os profetas e que vai até João Baptista e cessa (Mat.11:13), Israel endurecido rejeita a mensagem do arrependimento que lhe foi anunciado e nega também o Messias que foi revelado nessa mensagem. Apesar da mesma mensagem ter sido confirmada pelos apóstolos: “Saiba pois com certeza toda a casa de Israel que a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo” (Act.2:36). Pois que? Deus despreza os que Lhedesprezam e honra os que Lhehonram. O país foi ferida com maldiçao neste dia grande e terrivel para Iosrael que rejeitou seu Deus. E, Jesus confirmou essa profecia de Mal.4:5,6 e a maldição (ou a condenação) de Israel com essas palavras: “A vossa casa vai ficar-vos deserta” (Mat.23:37-39). É essa verdade que nos é feita em figura na parábola dos lavradores maus (Mat.21:35-44), para os entendidos. O antigo testamento ou antiga aliança estava assim consumada.
Agora, está escrito que pela queda de Israel veio a salvação aos gentios; e a sua rejeição tornou possível a reconciliação com o mundo (Rom.11:11-26). É pois aqui onde começa a segunda aliança pela dispensação da Igreja das nações, e que caracteriza o “ano da graça do Senhor” (Is.61:2a; Lc.4:19b). E, esta graça nos é anunciada pelo Evangelho. Contudo, como bem o ensina o apóstolo Paulo, para que “não sejamos sábios aos nossos próprios olhos”, é bom recordarmos constantemente que, esse ano de graça não durará para sempre! A porta da graça se fechará quando a totalidade dos gentios, chamados segundo o decreto de Deus houver entrado; assim como foi nos dias de Noé.Infelizmente, apesar da graça divina, nem todos obedecem no Evangelho. No fim dos tempos das nações, muitos não suportarão a sã doutrina. A apostasia generalizada do fim dos tempos confirmará a rejeição do Cristo… da Verdade pelos pagãos. O que vem pois à seguir da graça? Senão o julgamento! Pelo que atentamos na profecia de Is.61 :2 que, na sua segunda parte, fala de um dia de vingança do nosso Deus, que não se cumpriu na primeira vinda de Jesus. De quem pois se vingaria Deus? Senão das nações que desprezaram a Sua graça. Não se trata pois de Israel que, como soubemos, já pagou (e de que maneira!) o seu endurecimento, desde o dia em que Jerusalém foi destruída pelo exército do imperador romano Nero, até ao holocausto protagonizado pelo nazismo. Israel aguarda pois a sua reintegração quando serão consumados os tempos dos gentios.
Os que não obedeceram na Verdade cairão porém no julgamento de Deus e sofrerão a Sua ira no dia da Sua vingança. E, o que acontecerá com os eleitos das nações? Eles serão poupados da ira que cairá sobre a terra, e abrigados antes daquele dia, como bem o profetizou Isaías: “Vai pois, povo meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira. Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniquidade…” (Is.26:20,21). Notaram que se trata aqui da iniquidade dos moradores da terra, e não de Israel? Pois, para todos os que receberam o entendimento dessas coisas, Israel é um povo a parte que não é contado entre os moradores da terra (Nu.23:9).
Essa profecia de Isaías anuncia claramente o arrebatamento da Igreja dos escolhidos do Cristo no fim da dispensação ou do ano da graça. Porque, a ira de Deus não poderá se manifestar enquanto a graça estiver ainda à operar. Temos ainda isso confirmado em Apoc.3:10: “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre tudo o mundo, para tentar os que habitam na terra”. (Podemos notar também aqui que, são as nações que são visadas).          
         Pelo que o arrebatamento é mais do que evidente! Jesus fez a promessa de vir buscar só que são Seus! Aleluia! É a nossa glória! Esse período de tempo que caracteriza o fim dos tempos dos gentios até na vinda de Cristo, é o que a escritura identifica como “os últimos dias” ou “último tempo”. Não dissemos fim do mundo; mas sim, último tempo. O fim do tempo dos gentios… fim do tempo das nações… fim do ano de graça… do dia aceitável ou dia da salvação… fim do tempo favorável.
Cá estamos nós na véspera da segunda vinda do Cristo. Deus deixaria Seu povo na ignorância da obra por Ele realizada? De modo nenhum! Porque, O Senhor não faz nada sem revelar primeiramente Seus segredos aos Seus servos, os profetas. E se o Senhorfala que nãoprofetizará? (Am.3 :8). De mesmo modo que enviou uma mensagem de arrependimento à Israel para trazer de volta o Seu povo na Vereda recta; Deus no último tempo, e de acordo com a promessa feita pelo profeta Joel, derramou o Seu Espírito sobre toda carne, e os filhos dos profetas profetizam nos últimos dias “antes do dia grande e terrível”. Deus, por eles, lança um apelo aos Seus eleitos para que voltem nos antigos e bons caminhos por onde andaram os seus pais e que conduz ao descanso das almas (Jer.6:16).
Este apelo ao regresso na doutrina primitiva, é o que chamamos: “mensagem da restauração”. Uma mensagem que não substitui, nem contradiz a Palavra de Deus; mas sim A confirma; sendo pois a mensagem da Palavra de Deus. Para que os corações dos filhos de Deus se convertem na fé dos pais. A obra de edificação da casa espiritual de Deus deve acabar. Porque o Esposo cedo vem! (Apoc.22 :12). Esta é A VERDADEIRA MENSAGEM DO ÚLTIMO TEMPO !
Quando a contradição se levanta acerca da Palavra de Deus, convém pois deixar que a Palavra de Deus se interpreta por si. E, como sempre o advoguei: à cada pergunta bíblica, convém encontrar uma resposta… não digo justificativo, mas sim RESPOSTA bíblica.
O que diz então a Bíblia acerca da mensagem do último tempo? Leiamos na Bíblia, amados irmãos! Nada de especulações! Deixamos que a própria Bíblia fale à propósito e acaba uma vez por toda com a polémica (no entendimento dos eleitos, certo). Deixamos que o Espírito de Deus nos conduz em toda a Verdade. Porque está escrito: “Aquele que tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”. Não se trata do que diz o homem, seja ele apóstolo, profeta, doutor, pastor ou evangelista. O homem espiritual é aquele que presta atenção na mensagem do Espírito de Deus.
“Eis que cedo venho, e o meu galardao está comigo, para dar à cada um segundo a sua obra” (Apoc.22:12).
A promessa do arrebatamento não é para todos! Ela não diz respeito à todos esses que andam segundo a carne ou segundo o homem… aos injustos; aos que se sujam e se prostituem espiritualmente. Aquela promessa pertence à Esposa fiel. Tal qual a Rebeca conduzida junto do Isaque por Eliezer; assim também anda a Igreja na comunhão do Espírito Santo ao encontro do Esposo.
Temos uma representação disso na parábola das diz virgens: no meio da noite o clamor se fez ouvir. Trata-se da mensagem da Palavra de Deus: “O Esposo vem, sai-lhe ao encontro”. As virgens prudentes se levantam, mas não podem continuar à andar sem o azeite. Ora, o azeite figura o Espírito. Pois, na verdade, é o Espírito que vivifica a chama da lâmpada para iluminar o caminho. Pelo que, sem azeite não pode haver luz, e sem luz é impossível de marchar na escuridão. Bem-aventurado é o homem que compreende essas coisas!
Vamos atentar aqui pelo facto que, o Espírito e a Esposa concordam (pois duas pessoas não pode andar junto se não estiverem de acordo – Am.3:3) para andar junto ao encontro do Esposo que acabou de anunciar a sua vinda iminente: “E o Espírito e a esposa dizem: vem. E quem ouve, diga: vem (Apoc.22:17). Vem… quem ? Vem, Senhor Jesus ! Maranata ! Eis aqui a Verdadeira mensagem do último tempo. O Espírito anuncia a vinda do Esposo ! Esta mesma pregação é confirmada pela Esposa animada pelo Espírito Santo. E, se houver nesta geração alguém que afirma ter recebido a mensagem do último tempo, esse só poderá atestar… confirmar ou autenticar essa mensagem, dizendo: Vem Senhor Jesus! Isto é o que nós compreendemos por: receber ou crer na mensagem do último tempo.

E, se alguém for mesmo atento ao Conselho de Deus revelado aqui, irá compreender que nenhum clamor; nenhum outro apelo, nenhuma outra mensagem divina se fez ouvir sobre a terra. Pois, logo depois deste