O VERDADEIRO COMBATE DE SANSÃO
(Juí. 16:17-19):

Ef.6:12: “pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniquidade nas regiões celestes”.

O que Sansão não conseguia discernir aquele dia é que por detrás das insinuações ou palavras lisonjeiras de Dalila, desenrolava-se O COMBATE ENTRE SANSÃO E OS PRINCIPES DOS FILISTEUS POR INTERMÉDIO DE DALIDA. Aqui está o mistério de iniquidade que opera!
Na pregação sobre “A Perca da vocação” da Igreja crista, denunciei as três estratégias do diabo para a destruição da fé, nomeadamente: a sedução, a perseguição (uso da violência) e a contaminação. Pouco importa a astúcia que o diabo utiliza nos muitos meios da sedução, sua acção contra a Igreja do Cristo e o povo de Deus se enquadra nestas três estratégias que resumem o seu padrão de luta no nosso combate da fé. Agindo ora de uma maneira, ora de outra.
Podemos ver mais uma vez essa coisa em figura aqui no caso de Sansão. Muitas são as vezes que os príncipes filisteus tentaram dar cabo de Sansão que era um obstáculo nítido na concretização da sua dominação sobre Israel. Todavia, enquanto Deus estava com ele, o nazireu levava sempre o melhor. Foi então que os príncipes dos filisteus decidiram de mudar de estratégia: visto que era impossível vencer Sansão no campo de batalha, eles decidiram (aproveitando-se da sua paixão pela mulher estranha) trocar o uso da força ou recurso à violência pela astúcia. Não era Sansão um homem forte? Contudo, naquele camarote desencadeava-se o maior de todas as batalhas que Sansão jamais livrou: o combate da fé. Ora, esta luta nunca é carnal; mas sim espiritual. Pois, opondo a Palavra de Deus com a “voz da mulher”. E aconteceu que, sendo importunado todos os dias pelas palavras da Dalila, o nazireu foi literalmente molestado e, pela primeira vez: “a alma dele se angustiou até a morte”.
 Aquele pois que até então, não perdia nenhuma batalha, foi vencido pelas “palavras” da mulher. Isso, diz tudo para os entendidos. Hoje também, observei atentamente este fenómeno, sobretudo nas igrejas de reavivamento: quando se fala de combate contra as astúcias do diabo contra a igreja, muitos são os que, presumindo usar “o poder que lhes foi conferido”: gritam, gesticulam, batem os pés no chão, entram em transe, e coisas semelhantes à essas… e acabam a oração completamente esgotados… fisicamente cansados. Mas, ninguém se dá conta que o combate contra o diabo já foi perdido à partir do momento em que abrimos os nossos corações… isto é, prestamos fé aos “assim diz a igreja” cujas doutrinas lisonjeiras nos incitam a rejeitar a Palavra de Deus
Estamos claramente aqui diante da manifestação do Espírito de Jezabel: a tolerância dos ensinos da mulher, a falsa profetisa, que seduz os servos e filhos de Deus e lhes mergulha na idolatria. Como está escrito: “Porque a rebelião é como o pecado de adivinhação, e a obstinação é como a iniqüidade de idolatria. Porquanto rejeitaste a palavra do Senhor, ele também te rejeitou, a ti…” (1Sam.15:22)
Ai de ti, ô homem, se não compreender hoje que a tua igreja não é a profetiza de Deus. NUNCA! Deus é profeta de Si mesmo. (Is.46:9-10). A verdade é chocante: a tua igreja, vencida pelo Espírito Jezabel, se autoproclamou profetiza para seduzir as almas mal firmadas na Palavra da Verdade, ensinando os seus próprios dogmas. A verdadeira Igreja de Cristo não ensina as suas próprias doutrinas. Ela recebe a doutrina de Cristo, tal uma semente, e dá frutos à semelhança do Esposo. Tal qual Ele é (Filho de Deus), assim somos nós também.
Sansão adormecido sobre os joelhos de Dalila: uma figura dos que, por falta de vigilância e prudência se deixam adormecer pelas doutrinas sedutoras e ensinamentos das suas igrejas, enfeitiçados pela falsa sensação de segurança que essas igrejas produzem sobre as almas ignorantes da Verdade da Palavra de Deus. Até que a morte lhes arrebata…
Mais uma vez, Prov.7: 21, 22:Ela o faz ceder com a multidão das suas palavras sedutoras, com as lisonjas dos seus lábios o arrasta. Ele a segue logo, como boi que vai ao matadouro, e como o louco ao castigo das prisões até que uma flecha lhe atravesse o fígado, como a ave que se apressa para o laço, sem saber que está armado contra a sua vida”.
Foi isso que aconteceu com o nazireu: ele confiou cegamente naquela mulher estranha, e se entregou, semelhante ao boi levado ao matadouro… ao castigo das prisões. Ele foi derrotado naquele quarto; no colo da Dalila. Exatamente como acontece com muitos hoje: os que ainda não sabem que há igrejas que são verdadeiros caminhos para o inferno.
Prov.7: 26, 27: “Porque ela a muitos tem feito cair feridos; e são muitíssimos os que por ela foram mortos. Caminho de Seol é a sua casa, o qual desce às câmaras da morte”.
Sim! Todos os filisteus estavam concordados em Dalila para derrotar Sansão.
Pessoalmente, compreendi a gravidade deste mal quando um dia recebi um convite para ir pregar numa igreja de “avivamento”. Mas, qual foi o meu espanto quando o pastor da mesma me disse: “Esses dias na igreja as ofertas baixaram consideravelmente. Todo mundo sabe que tu és um doutor, se vier e dar um seminário sobre “o segredo da bênção” que consiste em “dar e receber”, eles acreditarão em ti. E, como quem trabalha no altar come do altar, no fim tu levas a tua parte e deixa a nossa”. Isso foi demais para mim! Demasiado grave para eu poder suportar isso: concordar em mentir e iludir o povo de Deus, eis o convite que me foi feito naquele dia! Não somos todos nós, homens sujeitos à fraquezas? Não tropeçamos todos, ora de uma maneira, ora de outra? Mas daquele jeito… sinceramente não!
Pergunto-me: quantos servos receberam tais convites e concordaram ou pactuaram em seduzir e enganar os crentes que afluem nessas congregações, cuidando estar na casa de Deus? Quantos pensam que, crendo nessas “profecias materialistas” que prometem fundos e mundos estarão à adorar e servir Deus, fazendo isso?
Irmãos, eu não digo isso para desacreditar ninguém, mas para que compreendeis hoje o que a Bíblia disse dessas igrejas, que a parábola de Deus (provérbio) nos apresenta na metáfora da mulher estranha cuja casa é caminho do inferno, que conduz os prosélitos na morte.
Uma outra vez, recebi um outro convite para anunciar o Evangelho numa convenção bíblica. Chegado no local, qual foi o meu espanto de ver muitos servos de Deus sentado, e no púlpito mulher à presidir o culto e outra à interpretar. Como se aproximava a minha vez de pregar, fiz saber à um dos servos desta igreja que organizaram o evento de que não podia me achegar ao altar, com aquelas mulheres de acordo com 1Tim.2:11,12. A resposta daquele homem me deixou atónito: “Não se preocupe homem de Deus, já fomos informados de que não gostas de mulheres. Quando chegar a tua vez, elas serão substituídas por homens”. Foi isso que aconteceu! E, quando sai do altar, o homem que presidiu assim como o meu tradutor foram assentar-se, e as mulheres retomaram o lugar.
Quem pode compreender isso? Como posso eu não gostar de mulheres, quando o próprio Deus as chamou também para salvação? Como posso não gostar de mulheres sendo eu mesmo um homem casado? Protesto veementemente contra esta geração adúltera que, não se trata de “doutrinas de Tiago” como algumas más-línguas tentam o insinuar, para desviar de mim os ouvidos dos que querem alcançar a salvação. Sou apenas um mensageiro da restauração… um dos pequenos e últimos obreiros alugados na última hora pelo Senhor, para reparar as brechas que o inimigo fez na doutrina da fé primitiva, com vista à preparar a Esposa do Cristo para o dia da Sua vinda. Esta foi a Sua vontade revelada para mim, quando a Sua Palavra me foi assim dirigida: “Vai dizer ao Meu povo: Eis que cedo venho”. E, como a vinda do Senhor é antecedida de uma grande apostasia, de acordo com a profecia bíblica, Ele me disse ainda: “Denunciar a ação dos espíritos enganadores e restaurar a Verdade, eis a obra para qual te chamei”.
É isso que faço! É isso que estou à fazer nesta pregação! É tudo o que sei fazer! Não sei contar as histórias dos servos que me antecederam; imitar os seus ministérios ou repetir as suas pregações. Não sei dizer: “fulano disse!”; só sei dizer: “Assim diz o Senhor”. E, quando me ouvir falar assim, acredite ô povo Seu, que Ele verdadeiramente me mandou dizer isso! Bem-aventurado aqueles que não nos julgam pela aparência!
Não me calarei! Pois, se como homem, posso ser menosprezado; como ministro do Evangelho, em nada me sinto inferior (pelo menos até hoje) comparado com os que espiam a minha liberdade de servir Deus e buscam em mim ocasião para justificar as suas calúnias. Confio ainda e muito na fidelidade e misericórdia de Deus para me justificar e me dar a minha parte na herança que Ele reservou à todos os santos… mesmo quando na má fama sou olhado como enganador.
Na verdade, me tornei o inimigo dos “edificadores de igrejas” que me evita como se de uma peste se tratasse. Eles se passam a palavra dizendo: “Cuidado! Se deixar o altar naquele homem, ele vai destruir-te a igreja e espalhar as ovelhas”. Porque este tumulto? Porque eles se ajuntaram também à uma contra o Senhor e Seus ungidos. Para cumprir os intentos do diabo na destruição da fé desses adoradores que não são discípulos de Cristo, mas sim, adeptos confessos e fanáticos sem discernimento dos seus respectivos agrupamentos religiosos. Tal como todos príncipes dos filisteus ajuntaram-se em Dalila para destruir a fé de Sansão, assim muitos desses falsos obreiros se ajuntam em convenções, seminários, campanhas, etc. para erguer obstáculos na unidade da fé dos santos. E, por causa das mentiras e falsificações deles, os caminhos do Senhor são blasfemados.
Hoje, muitos confiam nessas igrejas para ter a vida, sem se importar da maneira escandalosa em que as doutrinas e práticas dessas casas de orações contradizem a sã doutrina da fé, e incitam na rebelião contra Deus e Sua Palavra. Foi exatamente isso que aconteceu no dia em que Sansão confiou cegamente em Dalila e abriu-lha a sua alma: ele se rebelou contra Deus e foi levado cativo com ajuda da Dalila.
 Pelo que aqui fica a nossa exortação: não adormece como Sansão, ô homem! Desperta-te e vigia! Agora mais do que nunca, o eleito sabe que já é hora de despertar do sono. Não busqueis abrigo ou agasalho nas vossas igrejas, como Sansão aconchegou-se sobre os joelhos da Dalila. Porque a verdadeira segurança, só está em Cristo. Este é o verdadeiro refúgio para os santos.

----------------------------------------------------