A Visão da cobra esmagada

 

Foi o que Deus mostrou à Branham naquela visão que ele contou na pregação “A SERPENTE ESMAGADA": uma serpente mordeu-lhe na perna, e, no momento em que apontava a caçadeira para esmagar a cabeça do animal, a voz de um irmão ao seu lado instou-lhe para que não fizesse isso. Aproveitando aquele momento de indecisão, a serpente esquivou-se e penetrou numa água estagnada ao lado do homem de Deus e desapareceu.
Essa visão diz mais do que o homem carnal pode imaginar: a serpente, é o diabo, e pai e o espírito da mentira e do erro. Este não podia morder a boca, entendes? Porque da boca sai a Palavra viva de Deus: a Verdade que não pode ser aniquilada. Mas, porque a perna? O Apóstolo Paulo no Efésios cap.6 compara o zelo (ou preparação) do evangelho da paz às sandálias aos pés dos cristãos, segundo o que está escrito: “São formosos os pés dos que anunciam a boa nova”. A perna figura a missão; o campo missionário onde o servo vai espalhando o seu testemunho. É aí onde Satanás golpeou. No testemunho não. Entenderam aquilo ? A Verdade resiste a tudo : à oposição, à contestação, etc. E, a obra de um justo fala, mesmo depois da sua morte. Pois que? Na impossibilidade de se atacar no seu testemunho da Palavra, foi no campo da missão que Satanás golpeou duramente à pessoa (não estou à dizer testemunho mas sim pessoa) de Branham. Ao ponto de lhe desenhar aos olhos de muito como um anticristo. Esse foi o objectivo do diabo; a sua arma para deitar o descrédito sobre a obra que Deus realizou nesta era em que vivemos, por intermédio deste instrumento. Consequência? Hoje em dia, apesar da poderosa manifestação de Deus que operou e confirmou aquele ministério muito pouca gente compreendeu o sentido da sua mensagem. Um grupo recusou categoricamente de lhe reconhecer como um enviado de Deus e negou o seu testemunho como se do diabo procedesse; enquanto um outro o exaltou tão alto quanto Jesus Cristo, fazendo dele a figura central da salvação dele. Eles se esqueceram de que, agindo desta maneira, eles faziam dele involuntariamente um anticristo. Pelo que, quer no caso como no outro, eles cumpriram todos o intento do diabo: impedir os homens de reconhecer A OBRA DE DEUS NO ÚLTIMO TEMPO.
Atentai pela essa coisa: a voz que o impediu de matar a serpente não veio do alto, mas sim da terra; trata-se da voz de um homem perto do profeta, não de Deus. É a essa forma de tolerância passiva que assistimos hoje, face à idolatria gerada pela acção do espírito do erro contra o Conselho de Deus. Se bem que, mesmo pessoas honestas, conhecendo a Verdade, não tiveram a coragem de combater, senão de forma tímida. Enquanto precisava-se muito mais zelo para impedir esse mal de crescer. E, essa mensagem que, em princípio, devia dar vida aos que a receberam, provoca hoje a morte no campo missionário deste homem de Deus. Quer, para esses que rejeitaram o Conselho de Deus revelado por ele, como para esses que se apegaram à sua pessoa, como se de um salvador se tratasse. E a água estagnada ao lado do homem de Deus não significa outra coisa senão uma cisterna rota onde a água da Palavra, em vez de fluir até a vida eterna, estagna e acaba por perder a sua pureza ao longo do tempo. Sendo contaminada pelo mal: a serpente ou o espírito do erro que se esconde nessas igrejas denominadas “Mensagem do último tempo”, e que caracteriza a loucura dessas virgens que rejeitaram a direcção do Espírito Santo, para fundamentar a sua fé no homem. Sim é preciso que o digo: a brochura da pregação é uma lâmpada que, sem a revelação do Espírito Santo (a presença do azeite nos vasos) apaga-se, e o leitor mergulha com ela nas trevas.    
         Semelhantes ao maná que, conservado para o dia seguinte infectava (Ex.16:19,20), essas brochuras por causa da acção do espírito do erro, perderam todo o poder que Deus comunicava às pessoas que escutaram as mesmas palavras durante a vida do profeta de Deus; quando o maná ainda descia do céu, em seu tempo. Aquilo transformou-se numa letra morta que produz uma falsa piedade à estes ignorantes cujo coração foi mergulhado nas trevas das falsas interpretações e idolatria. Por que? Pois esses fanáticos que negaram de andar segundo o espírito, na incapacidade de parar o curso do tempo, pararam eles mesmo em relação ao tempo. Eles não sabem distinguir que hoje é outro dia do tempo do fim que revela outras promessas. Eles pararam de admiração diante do "painel indicador" - para retomar as palavras de um outro pregador - em vez de caminhar, ou evoluir na direcção indicada neste painel.    
Tais as virgens louca que, ao clamor da meia-noite, andaram na direcção oposta a da virgens sábias; à procura desses que vendem o azeite para as lâmpadas deles que já se apagavam, estes fanáticos andaram à contra-senso da história da igreja. Porque, se eles entenderam a pregação do Irmão Branham, eles teriam escutado o Espírito Santo que fala e se expressa hoje por nós.   
Eu não poderei ser mais franco e mui frontal para defender a justiça de Deus contra a mentira desses falsos irmãos que se introduziram astutamente na obra da restauração que consiste num grande movimento divino para a nossa era. E o que tenho eu à julgar os de fora, não foi enviado junto da Esposa do Cristo? Se o Irmão Branham o reconhece que, Deus nos deu a Bíblia que é a Sua Palavra e que essa Palavra é o próprio Deus. Ele afirma também que aqui temos os nossos óculos e binóculos para vermos o ÚNICO OBJECTIVO IMPORTANTE DE DEUS: O sacrifício de Jesus Cristo. Ele não fala das suas pregações, mas sim da Bíblia. Vou lhes dizer agora o que aconteceu. Se esse servo era verdadeiramente um profeta, o que ele predizia devia se cumprir… e se cumpriu! Alguns homens pegaram nestes óculos para olhar de longe na direcção indicada pelo espírito para ver o que Deus tenta mostrar a esta última geração: A VINDA IMINENTE DE JESUS. Pois que? Eles se esqueceram de calibrar; melhor, eles calibraram tão mal isso que ao inves de ver o objectivo: O Cristo, Autor e consumidor de nossa fé, eles viram a ponta do seu próprio nariz. Eles mergulharam os olhares no testemunho da Palavra de Deus apregoado pelo Seu mensageiro, mas eles fixaram o olhar deles naquele que falava. E o que deu isso? "Eu sou de Branham". E, na loucura de engano, um pregador deste movimento afirmou no sermão dele: "Como também Eliseu andara fielmente nos rastros de Elias e recebeu a dupla porção de seu espírito; da mesma maneira nós a Esposa, caminhamos nos rastros do profeta Branham para receber do seu espírito e fazer as mesmas obras que ele fez ". Esposa do Cristo ou do profeta, perguntei-me? Vedes onde pode conduzir o fanatismo? Condutores cegos! Arrependei-vos e abandonai o altar da pregação.   
Eu vou tentar ilustrar a coisa com um caso infeliz que eu vivi a meus começos no ministério. Uma noite, estava à conversar com uma irmã muito mais velha do que mim sobre a salvação que está em Cristo. Esta fez uma declaração que me deixou sem fôlego: ela não conseguia entender ou perceber tudo aquilo que eu dizia durante a mensagem ou a pregação, simplesmente porque estava fascinada pela minha pessoa que despertava nela todo tipos das paixões impuras. Fiquei tonto por ouvir isso, sabeis porque? Eu me deixei enganar sobre a sua aparência porque, era daquelas pessoas mais regulares e assíduas nas nossas reuniões. Sempre no primeiro lugar e aparentemente tão atenta; tão concentrada na pregação desde o princípio. E eu acreditei - julgando na aparência – que essa seria uma boa cristã. Portanto, ela só me via a mim e mas não me ouvia, nem entendia o que eu dizia. Por debaixo desta aparente fidelidade e piedade escondia-se uma mulher carnal, sensual e sem espírito; prostituta e infiel ao seu marido. Ela podia ser facilmente confundida por uma santa, olhando pelo seu zelo. Na realidade ELE SE ACOMODAVA COM A MINHA PESSOA… MINHA FISIONOMIA mas deixava de lado o essencial: Meu testemunho da Palavra de Deus. Eis porque ela via assiduamente aos cultos: para me ver. Ela me disse naquele dia que poderia aprender à melhor conhecer e compreender o Cristo apegando-se à mim. Entendeis a astúcia? Ele confundia minha pessoa do meu testemunho, deixando então de lado a única coisa que poderia lhe dar a vida eterna, procurando se apegar naquilo que a levaria na morte. É exactamente a mesma coisa que aconteceu com a falsa esposa e o mensageiro de Deus. Esta igreja reveste todas as aparências da piedade, mas cometendo adultério com a pessoa do servo de Deus, ela não presta atenção ao verdadeiro sentido do seu testemunho. Ela toma mais prazer na pessoa do servo do que na mensagem da Palavra de Deus. Eis porque nessas reuniões, fazem-se muito barulho quando o nome deste servo é citado. Eles entram praticamente em extasio. Isto é de loucos. Como Israel com Moisés. Que o inteligente compreende essas coisas; e sei que sois inteligentes. O matrimónio deve ser honrado por todos e o leito conjugal isente de toda a mancha. Digo isto em relação à Cristo e a Sua verdadeira esposa. Deus julgará os infiéis e os adultérios. Cuidai pois em como "recebeis" a mensagem porque: é a hora em que o julgamento começa na casa de Deus. As bodas estão prontas mas os convidados (isso significa, esses que receberam a mensagem de sua vinda iminente) não foram achados dignos.   
Também, Deus por nós, lança a Seu povo uma última chamada para o arrependimento geral. Eis que são vindo os tempos de refrigérios. Santificai-vos para poder comparecer em Sua presença! Não presumais em vós mesmos que “somos a esposa”. É uma autoavaliação. Dos incrédulos de hoje, Deus pode suscitar filhos do Reino. Não disse o Senhor: " Vão às esquinas e convidem para o banquete todos os que vocês encontrarem… bom ou mau"? Revesti-vos pois de sentimentos humildes, para que possais tudo examinar e vos julgar severamente a vós mesmos à luz do nosso testemunho pela Palavra de Deus. Cuidai pois pela maneira em escutai a mensagem, o testemunho da Palavra de Deus; porque dar-se-á à que tem (a verdadeira semente da Palavra), mas para aquele que não tiver será tirado mesmo aquilo que ele pensa ter (Lc.8:18). "Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta, e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu” (Apoc.3:17). Mensagem de nossa era não é verdade? É esta a PRESUNÇÃO que caracteriza a maioria dos cristãos do nosso tempo, independentemente dos agrupamentos religiosos.